Habitação

Avaliação bancária fixa-se em novo recorde de 1.292 euros/m2

Ana Tavares |
Avaliação bancária fixa-se em novo recorde de 1.292 euros/m2

O valor mediano de avaliação bancária atingiu os 1.292 euros em janeiro passado, mais 7 euros que no mês anterior e mais 10,4% que em janeiro do ano anterior, um ligeiro abrandamento face à variação homóloga de 11,2% registada em dezembro.

De acordo com o INE, o maior aumento mensal registou-se nos Açores, de 3,4%. Todas as regiões registaram variações homólogas positivas, a menor delas na região Norte, de 0,5%.

Já a maior subida homóloga verificou-se no Algarve, com 16,5%, e a menor no Alentejo, com 5,6%. Na Área Metropolitana de Lisboa, o valor mediano de avaliação subiu 12,6% face a janeiro de 2021.

Os apartamentos registaram um valor mediano de avaliação bancária de 1.437 euros/m², mais 11,9% face a janeiro de 2021. O valor mais alto registou-se no Algarve, com 1.781 euros/m², e o mais baixo no Alentejo, com 919 euros/m². O Algarve registou a subida homóloga mais expressiva, de 17,1%.

Face ao mês anterior, o valor de avaliação dos apartamentos subiu 1,3%, com o Algarve a protagonizar, novamente, a maior subida, de 3,5%. Os Açores registaram a única descida do país, de -0,4%.

No que toca às moradias, o valor mediano de avaliação bancária foi de 1.037 euros/m², mais 7,1% que no mesmo mês do ano anterior. O Algarve registou os valores mais elevados, de 1.756 euros/m², que registou também a subida homóloga mais acentuada do país, de 13,3%, assim como a Área Metropolitana de Lisboa, com 1.750 euros/m². O Alentejo regista o valor mais baixo, de 843 euros/m².

Face ao mês anterior, o valor mediano de avaliação bancária das moradias subiu 0,7%, com a Madeira a destacar-se com uma variação de 5,4%.

Em janeiro, foram realizadas cerca de 30.000 avaliações bancárias, mais 19,8% que em igual período do ano anterior.