Porto

Preços competitivos são chamariz para investir no Porto

Susana Correia |
Preços competitivos são chamariz para investir no Porto
Porto

Esta é uma das principais premissas defendidas pela consultora imobiliária no seu mais recente relatório de mercado, no qual conclui que «o Porto e a região Norte apresentam taxas de atratividade superiores às que se verificam no Centro e Sul do país».

Na base desta conclusão, e suportada pela experiência adquirida ao longo dos últimos trinta anos, a Predibisa elenca um conjunto de razões que justificam a atratividade crescente do imobiliário da região enquanto íman de atração de capital internacional.

Por um lado, indica, «o Porto tem preços mais baixos, tendo registado nos últimos anos variações em termos de valores; números de operações; investimento estrangeiro; criação de postos de trabalho, bastante superiores à média nacional e particularmente às registadas em Lisboa». Num comparativo das cidades do Porto e de Lisboa, na nova construção o valor de referência é de 3.500€/m² no Porto e em Lisboa fixa-se nos 5.800€/m², enquanto a yield bruta média é de 5,9% no Porto e de 4,6% em Lisboa, exemplifica. Já o número de postos de trabalho gerados por projeto de investimento estrangeiro, no Porto a média é de 115 postos e de 47 na capital, acrescenta.

Ritmo de crescimento vai recuperar no pós-pandemia

A pandemia veio interromper o momentum imobiliário do mercado do Porto, que entrou em 2020 em franco crescimento. Embora antevendo uma desaceleração nas vendas de habitação este ano em virtude do atual contexto, os especialistas da Predibisa anteveem que logo que ultrapassada a pandemia seja retomado o ritmo e a tendência de crescimento registada nos últimos anos.

«Nos últimos anos, o Porto tornou-se ponto de atração para o investimento internacional. Falamos de uma região cada vez mais conhecida como destino para a instalação de empresas com serviços de valor acrescentado, uma vez que os seus argumentos são fortíssimos para este tipo de ocupantes. Além dos custos competitivos do imobiliário, há ainda uma força de trabalho altamente qualificada, um ecossistema académico e de Investigação & Desenvolvimento (I&D) muito forte, um clima mediterrâneo e um custo de vida acessível, tudo isto num país que é considerado um dos mais seguros do mundo. Tem sido percetível na última década que esta realidade da região do Grande Porto é muito mais apelativa para a maioria das empresas do que noutros destinos europeus concorrentes», afirma João Nuno Magalhães, diretor-geral da Predibisa.

Posto isto, «ainda que esta crise seja diferente de todas as anteriores, o imobiliário é e continuará a ser um refúgio para os investidores e isso não vai mudar», confia o fundador da Predibisa.