Vai nascer uma nova centralidade de 65.000 m² em Guimarães

Susana Correia |
Vai nascer uma nova centralidade de 65.000 m² em Guimarães

O plano de urbanização para dar nova vida aos 65.000 m² pelos quais se estende o quarteirão das antigas fábricas do Cavalinho, da Jodimonte ou da Herculano & Pimenta, em Guimarães; já foi apresentado junto da Câmara Municipal de Guimarães pela mão da HJF, a imobiliária dona do terreno, e a Irmãdona, a sociedade que é responsável em Portugal pela cadeia espanhola de supermercados Mercadona.

Aprovado em reunião camarária, o documento prevê a demolição da maior parte das fábricas antigas desativadas que, nas palavras do vereador do urbanismo, Fernando Seara de Sá, «estão a funcionar como rolhas de desenvolvimento da cidade».

No seu lugar serão ciadas três vias rodoviárias que deverão limitar a área onde irão nascer os novos edifícios, e cuja construção poderá acontecer num prazo de um ano a um ano e meio após a assinatura do contrato de urbanização. Só depois poderão arrancar os empreendimentos, nomeadamente dos 17 lotes destinos a habitação e do supermercado com 4.000 m² e 200 lugares de estacionamento que a Mercadona ali quer construir num terreno de 7.500 m².

Já a Fábrica do Arquinho, atualmente em ruínas e que será um dos poucos edifícios que não será demolido, deverá ser totalmente requalificada para acolher o futuro Departamento de Engenharia Aeroespacial da Escola de Engenharia da Universidade do Minho.