Resorts

Venda de casas em resorts subiu 70% em 2021

Ana Tavares |
Venda de casas em resorts subiu 70% em 2021

Em 2021, o número de casas vendidas em resorts subiu 70% face ao ano anterior, superando já em 30% a atividade registada em 2019.

Os números são agora divulgados no relatório “Portuguese Resorts Market Report”, produzido pela Confidencial Imobiliário em parceria com a Associação Portuguesa do Turismo Residencial e Resorts (APR), que mostra também que os preços destas habitações subiram 16% face a 2020. É um dos aumentos mais expressivos registados desde 2016, superado só pela subida de 18,3% do final de 2018, período em que foi aprovado o acordo do Brexit.

Há cerca de ano e meio que os preços deste tipo de imobiliário seguem uma trajetória de recuperação, e mesmo durante o confinamento de 2021 subiram 8,6% em termos homólogos. O 2º semestre de 2021 marcou o terceiro semestre consecutivo com variações em cadeia positivas, registando a maior subida mensal da série de sempre, de 13%.

O crescimento de 70% do número de transações supera em 30% os resultados de 2019, e a evolução das vendas foi «especialmente expressiva» no eixo Albufeira-Loulé, que concentra 51% do mercado nacional, onde o nível de atividade mais que duplicou face a 2020, e ficou 70% acima de 2019. No ano passado, o preço médio de venda de habitação em resorts atingiu os 4.205 euros/metro quadrado no total do país e os 4.848 euros/metro quadrado neste eixo algarvio.

Pedro Fontainhas, Diretor Executivo da APR, destaca que «os resultados deste relatório confirmam a tendência crescente, que a pandemia veio acentuar, de procura de habitações em resorts em Portugal com espaço exterior, privacidade, segurança, conetividade, serviços de apoio e proximidade com a natureza. Esta tendência é visível através da procura crescente por clientes das mais diversas nacionalidades, incluindo portugueses. A procura crescente será acompanhada por bastante oferta uma vez que estão em curso diversos investimentos em projetos turísticos residenciais em Portugal».

Já Ricardo Guimarães, Diretor da Ci, salienta que «o sistema de informação SIR – Resorts, afirma-se cada vez mais como um instrumento-chave na monitorização deste mercado, novamente permitindo dar visibilidade sobre as tendências de valorização e vendas observadas. O mercado de resorts é mais um dos setores com um forte desempenho em 2021, mostrando que o mercado residencial nacional se mantém competitivo e atrativo de forma transversal, saindo reforçado da crise pandémica».

Preços atingem os 10.000 euros/m² Albufeira-Loulé

No ano passado, as casas integradas em resorts disponíveis para venda no país registaram um valor médio de 4.418 euros/m², atingindo os 8.374 euros/m² na gama mais alta do mercado.

No eixo Albufeira-Loulé, onde está 43% da oferta do país, o preço de venda médio atingiu os 5.151 euros/m², e os 10.064 euros/m² no segmento de luxo, um nível «nunca antes registado no mercado de resorts», segundo o relatório.

O preço médio de oferta neste eixo está 27% a 51% acima de outras localizações do país.

Britânicos perdem quota no Algarve, e lideram na Costa Atlântica

Registaram-se no segundo ano da pandemia «oscilações importantes à estrutura da procura internacional de resorts», com os compradores oriundos do Reino Unido a continuar a dominar o mercado em Albufeira-Loulé, gerando 42% das compras feitas por estrangeiros, mas a perder expressão face à quota de 50% de anos anteriores.

Segundo o relatório, «esta perda de quota dá-se no contexto de maior dinâmica atividade de outros países europeus, com destaque para os Países Baixos (12% das compras por estrangeiros nesta localização), Irlanda (9%), Alemanha, França e Suíça (quotas de 5% a 6%)».

Por outro lado, os britânicos mostram-se mais ativos na Costa Atlântica, e foram os estrangeiros que mais peso tiveram nas transações, com 20% do total no eixo do Litoral Alentejano, Lisboa e Costa Oeste, quando em anos anteriores a sua quota não ultrapassava os 5%.

Nestes mercados, alemães, espanhóis e norte-americanos geram 15% das vendas internacionais (cada), além dos libaneses com 10%.

Expetativas são as mais otimistas desde 2017

Os resultados refletem a melhoria da conjuntura, com o progressivo controlo da pandemia e a conclusão do processo do Brexit, que atenuou as incertezas. O bom desempenho do mercado impulsionou as expetativas dos profissionais que operam neste setor, e só em 2017 os operadores se mostraram mais otimistas quanto ao futuro das vendas e dos preços, segundo o Resort Market Survey, inquérito de confiança realizado pela Ci em parceria com a APR.

O Índice de Expectativas, que combina as expetativas relativas à evolução dos preços e das vendas, atingiu no 2º semestre de 2021 os 66%, e só no 2º semestre de 2017 registou uma percentagem superior, de 78%.