Trabalho flexível vai render €10bi até 2030

Ana Tavares |
Trabalho flexível vai render €10bi até 2030

 

Este é o primeiro estudo socio-económico abrangente de alteração das práticas no local de trabalho da empresa, realizado por economistas independentes que analisaram 16 países-chave para investigar a situação do trabalho flexível atualmente e até 2030.

Segundo a Regus, 8% a 13% do emprego estará associado a espaços de trabalho flexíveis na maior parte das economias desenvolvidas em 2030. Níveis mais elevados de trabalho flexível permitirão às empresas poupar dinheiro, reduzir custos operacionais e aumentar a produtividade – repercutindo-se em última instância na economia, desde as atividades principais até às cadeias de abastecimento.

Os benefícios específicos, segundo este relatório, incluem maior produtividade empresarial e pessoal, menores despesas com espaços de escritório para empresas que utilizam espaços de trabalho flexíveis, bem como milhões de horas poupadas em deslocações. Todos estes fatores contribuem para o valor acrescentado bruto da economia relativamente ao trabalho flexível.

Ian Hallett, Group Managing Director da Regus, afirma que «o trabalho flexível é uma ferramenta poderosa que tem a capacidade de trazer benefícios não só para as empresas, mas também para as sociedades e para a economia. Isto só é possível graças à rápida adoção do trabalho flexível como uma prática comum nas empresas para milhões em todo o mundo».

«É incrível constatar os benefícios que o aumento do trabalho flexível poderia trazer para a nossa sociedade – especialmente na medida em que as projeções de crescimento para 2030 mostram como o trabalho flexível será fundamental no futuro. A esperança é que as empresas aproveitem a oportunidade de fazerem parte desta revolução do espaço de trabalho e continuem a promover o espaço de trabalho flexível aos empregados de todo o mundo», completa. 

Por seu turno, Steve Lucas, de Economia do Desenvolvimento e autor do relatório, refere que «tal como este estudo revela, o trabalho flexível oferece contributos importantes para a sociedade: as pessoas passam a dispor de mais tempo para elas, verificamos um impulso da economia através da criação de trabalho e um aumento da produtividade. Estas projeções mostram que o trabalho flexível é uma força económica significativa que as empresas e as pessoas devem adotar nos próximos anos».