Savills aumenta receitas em 10% em 2018

Ana Tavares |
Savills aumenta receitas em 10% em 2018

 

De acordo com os dados preliminares para o ano completo que terminou a 31 de dezembro, o grupo registou ainda um aumento do lucro básico por ação de 3% para 109,4 milhões de libras. Com o dividendo anual para o ano a subir igual percentagem para os 31,2p por ação.

Foi um ano em que as receitas de assessoria de transação aumentaram 9%, e as de Property e Facility Management 14%. A consultoria aumentou 8%, segundo a empresa, que destaca um «forte crescimento da Europa e do Médio Oriente, tanto organicamente como através da integração da Aguirre Newman em Espanha e a aquisição da Cluttons Middle East em Maio de 2018».

Mark Ridley, Chief Executive do grupo, comenta que «a Savills conseguiu não só receitas, mas também o crescimento do lucro subjacente em 2018, impulsionado por um segundo semestre do ano robusto. Além de manter ou aumentar a nossa participação nos mercados transacionais, o comportamento das nossas linhas de negócio menos transacionais foram fundamentais para este desempenho».

Destaca ainda que «em 2019, tivemos um começo sólido; no entanto, o próximo ano fica ofuscado por fatores macroeconómicos e incertezas políticas em todo o mundo. É difícil prever com precisão, o impacto dessas questões sobre a atividade de expansão corporativa e procura dos investidores por imóveis. Nesta fase, antecipamos quedas nos volumes de transações em vários mercados e o crescimento das nossas linhas de negócio transacionais; assim, reservamos as nossas expectativas para o desempenho do Grupo em 2019».

Por seu lado, Paulo Silva, Head of Country da Savills Portugal, comenta que «o escritório da Savills em Portugal, no respeitante a faturação, resultados e estrutura, esteve em linha com o crescimento internacional da Savills. Os departamentos da empresa expandiram-se de uma forma geral, para irem ao encontro das inúmeras solicitações que nos foram feitas pelos nossos clientes, tendo contribuído para o reforço da nossa presença e quota de mercado. Esta tendência irá manter-se ao longo de 2019 de forma a darmos uma resposta consentânea à dinâmica de mercado e às crescentes solicitações da rede internacional da Savills que nos permitirão introduzir novos investidores e/ou operadores para o mercado nacional».