Residências de estudantes

Residências representam 6% dos investimentos realizados no 1º trimestre

Felipe Ribeiro |
Residências representam 6% dos investimentos realizados no 1º trimestre

O investimento realizado em residências de estudantes em Portugal, demonstra que esta área de imobiliário alternativo tem vindo a crescer nos últimos quatro anos em Portugal: no primeiro trimestre, este setor representou 6% do total dos investimentos realizados.

É o que revela o estudo sobre o mercado de PurposeBuilt Student Accommodation (PBSA), em Portugal, constituído pela equipa de Development & Living da Cushman & Wakefield: há um aumento evidente do número de estudantes, principalmente de alunos estrangeiros, apesar de o país ainda não conseguir dar resposta às necessidades de alojamento.

Fatores como o clima, o baixo custo de vida, os excelentes níveis de segurança e a qualidade e reconhecimento das universidades portuguesas são fatores cruciais para este desenvolvimento, com os números a duplicarem de 7% em 2011 para 15% em 2020.

O setor privado representa cerca de um terço do número de camas do alojamento estudantil, em Portugal, com um total de cerca de 6.700 camas – uma oferta mais relevante nas principais cidades, representando cerca de 60% da oferta total, sendo que os provedores públicos e religiosos cobrem a restante área do país.

Para Ana Gomes, Head of Development & Living da Cushman & Wakefield Portugal, Portugal «reúne todas as condições para continuar a verificar um aumento do investimento nas residências de estudantes, uma vez que existe uma margem substancial para o crescimento da área e falta de oferta perante a quantidade de interessados, tendo em conta a escolha do país para a realização de planos de estudos, como o ERASMUS».

Na capital, as taxas de provisão estão muito abaixo da média europeia, sendo a oferta especialmente baixa, por conta da dificuldade em identificar boas oportunidades de promoção a preços viáveis, pois competem diretamente com o mercado residencial, cada vez mais caro.

De destacar duas do total de cinco transações efetuadas nos últimos quatro anos em Portugal: a aquisição do Projeto da Milestone, em Carcavelos, pela Catella e a venda do Portfolio da Smart Studios, ambas realizadas em 2022.

Smart Studios, Estoril
Smart Studios, Estoril

Ana Gomes ressalta que «isto faz com que exista um interesse crescente por parte de investidores, o que nos próximos anos deverá resultar no surgimento de novos empreendimentos que reforcem o número de camas disponíveis para os estudantes universitários. Aliás, o número de novas camas já programadas para entrar no mercado nos próximos três anos é superior ao número de camas privadas já em operação».