Industrial

Ocupação industrial e logística sobe 111%

Ana Tavares |
Ocupação industrial e logística sobe 111%

Segundo as contas da Cushman & Wakefield, apresentadas esta semana no seu balanço do ano de 2020, contribuíram especialmente para este valor a colocação do novo entreposto do Lidl em Santo Tirso, numa área de 48.000 m², e das instalações da Hotelar, de 22.000 m², também em Santo Tirso, na renovada Fábrica de Fiação e Tecidos do Rio Vizela.

A área média transacionada neste período rondou os 7.000 m², bem acima dos cerca de 4.000 registados em 2019.

Em termos de oferta futura, a C&W contabiliza um total de 45.000 m² de promoção especulativa, que diz respeito ao primeiro armazém da Plataforma Logística Lisboa Norte, da Merlin Properties, já em construção. A escassez de oferta de qualidade contribui para a criação de nova oferta especulativa, segundo a consultora, especialmente num setor cuja procura foi crescendo durante a pandemia.

Já a renda prime do mercado industrial e logístico situa-se nos 4 euros/m²/mês em Lisboa, e nos 3,85 euros/m²/mês no Porto.

Segundo a C&W, «a atividade no mercado de industrial e logística registou uma maior resiliência durante 2020, com o aumento do comércio online a contribuir para um reforço da procura de espaços adaptados à sua operação». Especialmente no segundo semestre, a consultora «registou um aumento da procura latente, especialmente durante a segunda metade do ano, e com enfoque na logística de proximidade».

Entre os principais negócios nos quais esteve envolvida, destaque para o acompanhamento da Medway na procura de espaços para o novo projeto do futuro terminal ferroviário de mercadorias em Famalicão. Representou também a Fedex na renovação dos seus atuais contratos de arrendamento e colocou a Orange Space, um conceito de self storage, num armazém com 2.300 m² em Alhos Vedros.