Merlin estuda entrada em Bolsa em Portugal

Susana Correia |
Merlin estuda entrada em Bolsa em Portugal

Atualmente, além do Almada Forum e de um terreno de uso logístico em Castanheira do Ribatejo, a Merlin detém 100.000 m² de ABL de escritórios no mercado português, os quais registam uma taxa de ocupação de 94,5%, acima da média do portfólio da empresa. Tendo por base estes números, e face às rentabilidades que oferece, a empresa não descarta continuar a investir no setor no mercado português, estando neste momento a estudar a melhor solução para começar a cotar em território nacional.

A informação foi avançada esta terça-feira pelo CEO da maior socimi espanhola, que falava na assembleia geral de acionistas. «Portugal é um mercado vibrante», disse o responsável, reafirmando que o nosso país será um dos principais focos de investimento da Merlin em 2019.

Logística é a grande aposta

Na mesma ocasião foi ainda revelado que a socimi se prepara para lançar um novo veículo de investimento, denominado Best III, para comprar até 500.000 m² de área logística em mercados regionais ibéricos. Com um capital de 300 milhões de euros para investir, este veículo estará ativo entre 2021 e 2023, e pretende estender o seu foco de atuação para além dos dois maiores centros logísticos espanhóis, implantando-se noutras zonas como o País Vasco, Valencia, Sevilha, Zaragoza e também em Portugal, mais concretamente em Lisboa.

Adicionalmente, a Merlin fez também saber que está também a preparar novas fórmulas para reforçar a sua presença no setor logístico, revelando estar neste momento a utilizar os estacionamentos dos seus edifícios de escritórios em centros logísticos durante o período da noite. Como explicou o CEO, a socimi disponibiliza estes espaços aos operadores logísticos entre as 114 da noite e as 7h30 da manhã, para que os utilizem como centros ou bases last mille.