Lisboa

Lisboa pode ter mais 4.200 camas para estudantes até 2022

Vanessa Sousa |
Lisboa pode ter mais 4.200 camas para estudantes até 2022

A maior aposta neste mercado de residência de estudantes será levada a cabo por privados, já que juntos criarão mais 3.000 camas. Já o público, nomeadamente a Universidade de Lisboa contribuirá com a criação das outras 1.200.

Entre os investidores privados, o relatório “Lisbon Student Housing Market” esta segunda-feira divulgado pela consultora, destaca a aposta da Student Hotel em criar 435 estúdios junto ao Campus da Nova School of Business and Economics, que deverão abrir portas já no próximo ano. Junto ao mesmo campus universitário irá investir Milestone, aumentando a oferta de alojamento em 200 novas unidades.

A Smart Studios é outro investidor privado a apostar neste mercado. Será em Santa Apolónia que a empresa irá erguer uma residência de estudantes com 114 novas unidades destinadas a arrendamento de longa duração, não só para estudantes, mas também para freelancers e jovens profissionais. Este projeto – que será edificado numa área de 4.000 metros quadrados – representa um investimento de 5 milhões de euros.

Um outro projeto colocado no mercado o é da TGP e da Round Hill Capital. O centro de Lisboa foi o local eleito pelas empresas para criar 390 novas camas para estudantes e ainda 250 apartamentos.

Outro player ativo neste mercado é a belga Xior que está a desenvolver uma residência de estudantes na Rua Artur Lamas, unidade que deverá disponibilizar mais 125 quartos aos estudantes da cidade já no próximo ano, segundo revelou a empresa num comunicado divulgado em outubro passado. A mais recente empresa a anunciar o seu interesse em investir neste segmento de mercado foi a norte americana CA Ventures, que planeia desembolsar 200 milhões de euros por ano não só em Portugal, mas também em Espanha.

O interesse crescente por investidores internacionais no mercado de residências de estudantes português cresce a bom ritmo num momento em que há clara falta de oferta de alojamento. «Lisboa está atualmente a lutar contra uma enorme falta de camas para estudantes», lê-se no relatório.

No ano letivo passado, a Universidade de Lisboa contou com 48.703 estudantes e apenas disponibilizou 1.174 camas, distribuídas por 20 residências. Esta oferta é insuficiente face ao número crescente de estudantes que chegam a Lisboa ano após ano.

Os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência mostram que esta cidade recebeu um total de 120.696 estudantes só no passado ano letivo, destes 17% são estudantes internacionais. E este número representa um aumento de 3,4% face ao período homólogo.