Lançado o concurso público para a expansão do Metro

Ana Tavares |
Lançado o concurso público para a expansão do Metro

 

Se a obra correr dentro do previsto, as novas estações estarão em funcionamento em 2023, formando a nova linha circular do Metro. A linha verde fará um novo anel, e a amarela será reduzida a Telheiras – Odivelas. Assim, será possível viajar entre o Cais do Sodré e o eixo central sem necessidade de mudar de linha.

A obra deverá custar 210 milhões de euros, 83 dos quais comparticipados pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR) e 127 milhões pelo Fundo Ambiental. Vai permitir que mais 9 milhões de passageiros viagem todos os anos.

Esta é a grande mais-valia do projeto para o Governo, uma «base para toda a expansão da rede do metro. Era o passo a dar antes de todos os outros. Não fazia sentido expandir para a periferia sem robustecer o centro da cidade», notou o Primeiro Ministro, António Costa, durante a sessão Pública de abertura do concurso.

Para João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente, que tutela os transportes urbanos, «este é o investimento que melhor estrutura a rede do metro para o curto e longo prazo em conjugação com outros modos de transporte».

Já para o autarca Fernando Medina, nota citado pelo Público que «não é uma decisão qualquer em termos de expansão. A opção pela linha circular vem estabilizar o mais poderoso instrumento de mobilidade de Lisboa, a partir do qual tudo será possível realizar».