Imobiliário português volta à ribalta em Paris em maio

Susana Correia |
Imobiliário português volta à ribalta em Paris em maio

Organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa, o Salon de l’Immobilier é um evento dirigido aos compradores francófonos e luso-descendentes que procuram uma segunda habitação no nosso país, contribuindo para “a internacionalização do imobiliário português junto de uma população francesa com vontade de expatriação e poder de compra”, refere a organização.

Entre o público-alvo do salão conta-se a comunidade lusófona radicada em França, particulares e empresários, estimada em mais de 2,5 milhões de pessoas, dos quais 45.000 empresários, mas também cidadãos franceses, particulares, interessados em investir em imobiliário fora de França – com especial ênfase para os 15 milhões de séniores nacionais, o equivalente a 25% da população francesa. Cerca de 40 fundos de investimento imobiliário franceses complementam o leque de interessados, revela a mesma fonte.

A edição de 2016 do SITP Paris atraiu 17.522 visitantes, 56% dos quais procuravam apenas uma região, com Lisboa (38%), Algarve (35%), Porto e Norte (17%) a liderarem as preferências.  Entre as tipologias de imóveis mais solicitadas, a organização aponta as moradias (39% das preferências) e apartamentos (48%), sendo que cerca de 23% dos visitantes procurou imoveis para residência principal e 10% para rendimento.

A organização apurou ainda que 71% dos visitantes do ano passado planeava comprar um imóvel em Portugal no prazo de dois anos e 22% pretendia investir dentro de seis meses. 42% dos interessados estava disposto a despender entre 100.000 a 200.000 euros na compra, sendo que apenas 27% procurava imóveis de valor superior a 200.000 euros. Cerca de 46% dos visitantes recorrerão a fundos próprios para a aquisição e 54% contava recorrer a crédito bancário.

Fator segurança pesa cada vez mais

A perceção de Portugal como um país seguro é um dos fatores que pesa cada vez mais junto dos compradores franceses na hora de escolher um destino estrangeiro para a compra de imóveis.

Recorde-se que a última edição do ranking do Global Peace Index revelou que Portugal é o quinto país mais seguro do mundo, à frente de nações a Suíça ou mesmo o Canadá. Desde 2008, a posição de Portugal alternava entre a 16.º e 15º posições, tendo sido atingido o valor mais elevado em 2013. A Islândia lidera o pódio dos países mais seguros do mundo, seguida da Dinamarca, da Áustria e da Nova Zelândia.

Este estudo, publicado pelo Instituto para a Economia e Paz, analisou 163 países com base nos níveis de segurança considerados em 23 fatores, que por sua vez foram agrupados em três categorias: níveis de paz e segurança na sociedade, nos conflitos internos e internacionais, e na utilização dos recursos militares.

Lisboa (38%), Algarve (35%), Porto e Norte (17%) estão no topo das preferências dos investidores gauleses