Turismo

46 unidades de alojamento já reforçam oferta para estudantes

Ana Tavares |
46 unidades de alojamento já reforçam oferta para estudantes

Com o objetivo de aumentar a oferta de camas para estudantes, o Governo estabeleceu uma série de acordos com a Movijovem e várias estruturas representativas de unidades hoteleiras e alojamento local, para a disponibilização de camas. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior dá esta semana nota de que estão disponíveis camas em 46 hotéis e unidades de alojamento local, 11 dos quais unidades hoteleiras, como o In Gold Hotel & SpaIn Gold Hotel & Spa (Águeda), Hotel Aveiro Center, Hotel Nordeste Shalom (Bragança), The 7 Hotel (Lisboa), Turim Luxe Hotel (Lisboa), Casa de São Mamede Hotel (Lisboa), Hotel Cruz da Mata (Mangualde), Hotel Vila Esteves (Monção), Hotel Mansão Alto Alentejo (Portalegre), Hotel Star inn Porto e Hotel Quasar (São Mamede de Infesta).

Dos 35 estabelecimentos de alojamento local disponíveis, 23 situam-se na zona de Lisboa. Não foi disponibilizado o número de camas que estes estabelecimentos vão alocar aos estudantes.

O Eco recorda que, no caso dos alunos bolseiros, os estabelecimentos cobram  as rendas de acordo com os valores máximos estipulados pelo Governo — Lisboa, Cascais e Oeiras (285,23 euros), Porto, Amadora, Almada, Odivelas, Matosinhos (263,29 euros), Funchal, Portimão, Vila Nova de Gaia, Barreiro, Faro, Setúbal, Maia, Coimbra, Aveiro, Braga (241,35 euros) e 219,41 euros nos demais concelhos. Contudo, no caso de estudantes não bolseiros, não existe limite.

Este ano, a oferta de alojamento para estudantes foi reforçada em cerca de 2.400 camas, num total de mais de 18.000 camas em todo o país, mais 16% que no ano letivo anterior. Estes números foram divulgados no início do mês pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Segundo esse comunicado, o reforço foi conseguido através das alternativas estabelecidas com várias estruturas representativas de unidades hoteleiras e de alojamento local e outras tipologias, bem como através dos protocolos estabelecidos com instituições e autarquias, que permitem disponibilizar alojamentos até ao final do ano letivo 2020/2021.

A nota recorda que estão sinalizados 10.197 quartos de oferta privada, 3.159 dos quais em Lisboa a um preço mínimo de 185 euros e máximo de 502 euros. No Porto, a oferta privada soma os 1.207 quartos, a um mínimo de 180 e máximo de 406 euros.

Através do Plano Nacional de Alojamento para o Ensino Superior, o Governo quer aumentar a oferta de camas para estudantes universitários a preços regulados para 30.000 até 2030.