Venda de NPLs na Ibéria deverá atingir os €28.000M este ano

Ana Tavares |
Venda de NPLs na Ibéria deverá atingir os €28.000M este ano

É um mercado que proporciona oportunidades de investimento para perfis e tickets distintos, já que Portugal e Espanha se encontram em fases distintas de maturidade deste mercado, com níveis de retorno e de competitividade diferentes. E beneficia do crescente interesse dos investidores por este tipo de ativos e pelos mercados sul-europeus. Esta previsão é feita pela Prime Yield, parte da Gloval, no seu mais recente relatório referente a este mercado, “Investing in NPL in Iberia 2019”.

O estudo prevê que Portugal registe este ano um novo valor recorde na transação deste tipo de carteiras, num total de 8.000 milhões de euros, o que excede as melhores expetativas, depois de dois anos em que este volume se situou entre os 2.000 e os 3.000 milhões de euros, e de uma aceleração entre os 7.500 a 8.000 milhões em 2018. Assim, a consultora acredita que a transação de grandes carteiras vai continuar a marcar a atividade este ano, com especial dinâmica nos ativos garantidos por imóveis, que são cada vez mais atrativos num contexto de crescimento dos preços no setor imobiliário.

Nelson Rêgo, diretor geral da Prime Yield e responsável de Desenvolvimento de Negócio para Fundos de Investimento da Gloval, comenta estes números, afirmando que «Portugal emergiu no mapa europeu mais lentamente, mas ganhou um forte impulso nos últimos dois anos. Está numa fase em que ainda há muito para fazer no mercado principal e em que os Bancos estão mais abertos a colocar este tipo de portfólios em venda. Numa perspetiva Ibérica, os dois países podem beneficiar, entre si, do facto de se encontrarem em diferentes fases. Se é verdade que cada vez mais investidores especializados vão começar a mudar o seu foco de Espanha para Portugal, procurando retornos mais elevados e portfólios menos polidos, também Espanha deverá receber novos investidores, com maior apetência pelo risco».

Só em Portugal, o stock de malparado no sistema financeiro ascendeu a 21.300 milhões de euros no 2º trimestre deste ano, menos 8.500 milhões que no ano anterior, mostram os números da Autoridade Bancária Europeia. Assim, o stock nacional é atualmente equivalente a 3,3% do montante de NPL contabilizado no sistema financeiro europeu, num total de 635.800 milhões de euros.

Já em Espanha, a venda de NPL parece já ter atingido o seu pico, depois de vários anos muito dinâmicos e um volume histórico de 60.000 milhões de euros vendidos no ano passado. Este ano, a previsão é que este volume se situe em torno dos 20.000 milhões de euros.

Neste país, o stock de NPL é ainda o terceiro mais elevado da Europa, num total de 84.500 milhões de malparado no sistema financeiro, 13,3% da carteira europeia – volume que chegava aos 98.900 milhões de euros há um ano atrás.