Arrendamento

Projeto ZIP procura novo dono para 4.400 casas

Susana Correia |
Projeto ZIP procura novo dono para 4.400 casas

A notícia foi hoje avançada pelo ECO, que explica que a maioria destes FIIAH são detidos pelos principais bancos portugueses, nomeadamente o Novo Banco, a Caixa Geral de Depósitos (CGD), Montepio, BCP e Santander Totta, que em 2012 criaram estes veículos no âmbito do chamado «mercado social de arrendamento». Apresentado pelo governo da altura para tentar solucionar o problema de habitação no país, este projeto “convidou” os bancos a colocar centenas de imóveis residenciais integrados nas suas folhas, muitos dos quais por dação, nestes veículos, sendo que em troca receberiam unidades de participação nos fundos.

Na altura, o BES, o Banif, o Banco Popular, o Santander Totta, o Montepio, o Millennium BCP e a CGD, associaram-se ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social e ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) para a criação de dois FIIAH que seriam geridos pela Norfin: o fundo Solução Arrendamento e o fundo Arrendamento Mais. No final de 2019, em assembleia, os bancos participantes nestes dois veículos decidiram liquidá-los até ao final deste ano, implicando a alienação dos imóveis que constituem as suas carteiras, que terá de acontecer até ao final de 2021.

Os imóveis que integram as carteiras dos dois FIIAH em liquidação constituem o projeto ZIP, que totalizando 4.435 frações de habitação, das quais mais de 4.000 se encontravam arrendadas a 31 de dezembro de 2019. A esmagadora maioria dos imóveis está localizada entre a região do Porto (cerca de 1.000), Setúbal (870 casas) e Lisboa (740 casas).

Estas três regiões representam igualmente quase dois terços (200 milhões de euros) do valor total dos ativos em carteira, avaliada em 360 milhões de euros.

Acabado de chegar ao mercado, o portfólio está agora a ser apresentado junto de potenciais investidores, sendo que as propostas não vinculativas poderão ser apresentadas até setembro. O valor da venda do Projeto ZIP será distribuído pelos diversos participantes dos dois fundos.

Para além dos relatórios e contas de 2019, que podem ser consultados online aqui e aqui, está também disponível a composição discriminada dos imóveis em carteira dos fundos Solução Arrendamento e Arrendamento Mais.

 

Foto: Zonshyne from Pixabay