Confidencial Imobiliário

Investimento na ARU de Lisboa desceu 54% no 2º trimestre

Susana Correia |
Investimento na ARU de Lisboa desceu 54% no 2º trimestre

Os dados, revelados esta quinta-feira pela Ci- Confidencial Imobiliário correspondem a um total de 1.525 imóveis transacionados (-48% face ao 1º trimestre) naquela área durante o 2º trimestre de 2020, e comparam com os 1.303 milhões de euros investidos na compra de 2.913 imóveis ao longo do trimestre anterior.

O montante médio por operação também diminuiu no 2º trimestre, fixando-se em 396.307 euros, ou seja, menos 54.995 (-12%) que os 451.301 registados no trimestre anterior.

No período em análise, a habitação foi a classe de ativos que captou a maior fatia do investimento (88%), cerca de 529,9 milhões de euros, seguindo-se os ativos de comércio e serviços, que movimentaram 56,3 milhões de euros (9%). De acordo com a Ci, este último segmento foi o mais atingido, observando uma queda trimestral de 76% no montante investido, enquanto na habitação a diminuição foi de 47%.

Em termos geográficos, as freguesias de Santo António (86,4 milhões de euros), Estrela (61,5 milhões de euros), Santa Maria Maior (61 milhões de euros), Avenidas Novas (51,9 milhões de euros) e Arroios (50,8 milhões de euros) foram os principais destinos do investimento no 2º trimestre. O investimento perdeu ritmo em todas elas, com quedas trimestrais de 35% a 58%, uma tendência que foi transversal a todo o território.

 

1.907 milhões transacionados em 2020

Contas feitas, nos primeiros seis meses de 2020 foram alocados 1.906,6 milhões de euros à compra de 4.438 imóveis na ARU de Lisboa, confirma a Ci. Um valor que confirma uma desaceleração da atividade em relação ao 1º semestre de 2019, com o número de imóveis adquiridos a cair perto de 15% face às 5.205 transações registadas naquele período e o volume de investimento a encolher 36% face aos 2.520 milhões de euros somados até junho de 2019.

Recorde-se que em 2019 o investimento imobiliário alocado ARU de Lisboa somou os 5.200 milhões de euros, correspondentes a cerca de 10.720 transações, menos 12% que o volume registado no ano anterior.

Estes dados são apurados pela Confidencial Imobiliário e abrangem transações de todo o tipo de imóveis (desde prédios a frações), incluindo os diversos segmentos (desde residencial a comercial, serviços ou terrenos).