Negócios

Fundo de pensões do Grupo BCP compra Edifício Lisboa

Ana Tavares |
Fundo de pensões do Grupo BCP compra Edifício Lisboa
Edifício Lisboa

O Edifício Lisboa, no Parque das Nações, foi vendido por um fundo afiliado da MCAP Global Finance (afiliado, no Reino Unido, da empresa de gestão de ativos Marathon Asset Management, L.P, sediada em Nova Iorque) ao Fundo de Pensões do Grupo Banco Comercial Português, gerido pela Ageas – Sociedade Gestora de Fundos.

Situado junto ao Oceanário de Lisboa, na primeira linha de rio, este edifício de uso misto de escritórios e retalho tem um total de 7.300 metros quadrados de ABL distribuídos por 5 pisos, aos quais se somam 105 lugares de estacionamento em cave. A componente de retalho está ocupada por restauração, e os inquilinos incluem duas empresas multinacionais.

Gilles Emond da Ageas – Sociedade Gestora de Fundos, comenta que «o Grupo Ageas Portugal continua a sua caminhada no investimento imobiliário português para as seguradoras ou para os fundos de pensões que gere. Com uma localização única, uma arquitetura de qualidade e uma forte base de inquilinos com atividades diversificadas, o Edifício Lisboa foi uma grande oportunidade para aplicar capital de forma segura».

De acordo com Jochen Kauschmann, Head of Asset Management da Marathon, «com esta operação, a Marathon concluiu com sucesso o seu “business plan value add” definido aquando da aquisição deste ativo. A estratégia consistiu na melhoria do ativo, física e operacionalmente, atraindo novos inquilinos por forma a atingir 100% de ocupação e melhorando o ativo em termos de ESG. A CBRE, através de uma equipa multidisciplinar acompanhou-nos em toda a execução do nosso business plan e atingiu o nosso objetivo».

Este negócio, cujo valor não foi divulgado, foi mediado pela CBRE, mandatada pelo proprietário para lançar, gerir e concluir o processo de alienação do imóvel, num mandato exclusivo. Para José Hermozilha, Head of Investment Properties da CBRE, «esta transação vem evidenciar o contínuo apetite de investidores institucionais por boas oportunidades no setor imobiliário, em particular por ativos de alta performance, como é o caso». E completa que «apesar do mercado imobiliário não estar imune às alterações resultantes do contexto económico global, acreditamos que operações sólidas como a do Edifício Lisboa são exemplo de uma relação de risco vs. retorno muitíssimo competitiva face a outro tipo de investimentos financeiros».

Acompanharam na assessoria legal a PLEN Sociedade de Advogados, representando o proprietário, e a Sérvulo & Associados – Sociedade de Advogados, SP, RL, representando o comprador. A Howden M&A assessorou a negociação e contratação dos seguros de M&A.