Gestão de escritórios «pode contribuir de forma positiva para o desempenho das empresas»

Ana Tavares |
Gestão de escritórios «pode contribuir de forma positiva para o desempenho das empresas»

Enquanto gestora de vários espaços deste tipo, a CBRE está apostada em contribuir para a melhoria das condições de trabalho e da produtividade dos ocupantes e, nesse sentido, lançou a iniciativa Office´Play, que pretende «tornar os espaços de trabalho em espaços dinâmicos, alegres, e surpreender quem lá trabalha, acrescentando, desta forma, mais valor aquele ativo e a quem o ocupa», explica Luís Teodoro à VI.

A iniciativa decorre periodicamente nos edifícios que a CBRE gere. Já foi feita uma celebração do verão, com a oferta de bolas de berlim, a decoração dos edifícios com sardinhas e manjericos por altura dos Santos Populares, ou a realização de um magusto no dia de S. Martinho. E, até agora, «o feedback que temos, e o testemunho de alguns ocupantes, é que estas ações têm impacto direto no dia-a-dia de trabalho, e até na sua felicidade».

Luís Teodoro explica que «para comprovar a sensibilidade que tínhamos do impacto positivo desta iniciativa, realizámos este ano um estudo em oito edifícios e os resultados foram realmente surpreendentes. Mais de 90% dos entrevistados indicaram-nos que se encontram satisfeitos ou muito satisfeitos com este tipo de ações e isso está diretamente associado a uma alta satisfação com o edifício onde trabalham», aponta. Para a consultora, «o resultado mais surpreendente deste estudo foi o de que 50% dos trabalhadores das empresas que ocupam estes edifícios referiu que este tipo de iniciativas contribui positivamente para a sua motivação laboral, e isto é extremamente poderoso». Para este responsável, o impacto que a CBRE pode ter nos edifícios que gere «poderá ter uma influência positiva nas decisões dos ocupantes relativamente a esses edifícios, nomeadamente na vontade de um ocupante no futuro renovar o seu contrato de arrendamento nesse edifício», exemplifica.

A ideia da CBRE é levar a cabo «uma ação por mês», associada a uma data comemorativa ou a uma causa específica. O objetivo é não só «tornar os dias das pessoas mais felizes, mas também trabalhar a componente de responsabilidade social e ambiental». Exemplo disso foram as ações do Bike to Work, que celebrou o dia europeu sem carros, a Hora do Planeta, que consistiu em desligar simbolicamente a iluminação dos edifícios, ou o dia dos Óscares, em que foram distribuídas pipocas e foi instalada uma passadeira vermelha na receção dos edifícios, entre outras.

O Office´Play é implementado de forma uniforme em todo o edifício, mas Luís Teodoro admite que, no futuro, pode ser pensado para adaptar-se aos vários ocupantes, «a marca tem flexibilidade e permite esse desdobramento». O custo destas ações representam uma média de 1% a 3% do orçamento de despesas comuns de um edifício típico de escritórios, nota o responsável. Algumas destas iniciativas são também aplicadas nos escritórios da consultora, «pois de facto são iniciativas universais, voltadas para as pessoas e que visam trazer felicidade, bem-estar, solidariedade ou responsabilidade social até ao local onde trabalhamos».

Mas a iniciativa não se aplica, obrigatoriamente, a todas as unidades geridas. «Por exemplo, na Torre Oriente no Colombo onde estamos a implementar o nosso programa de gestão de Premier Properties que passa por ter um serviço premium como se de um hotel de cinco estrelas se tratasse, não iremos implementar o Office Play, embora possam existir pontualmente algumas ações comuns, nomeadamente as de responsabilidade social». A implementação do Office´Play «está dependente do tipo de edifício e dos objetivos do proprietário para o mesmo».

Todas estas ações são comunicadas sob a assinatura “Office´Play – Smart Offices Powered by CBRE”, contando com uma linha de comunicação exclusivamente criada para o efeito. «No final do período» das ações, a CBRE avalia os resultados, «auscultando os ocupantes e posteriormente introduzindo melhorias ao programa em função do feedback recebido e partilhando os resultados e o plano com os respetivos proprietários dos edifícios». O responsável acredita que «estamos no bom caminho».

De notar que a CBRE gere, atualmente, mais de 800.000m² de ativos para clientes nacionais e internacionais.