Turismo

Hotelaria pode perder até €800M em receitas até junho

Ana Tavares |
Hotelaria pode perder até €800M em receitas até junho

A projeção é feita pela associação da hotelaria, no decorrer de um inquérito feito aos seus associados hoteleiros até ao dia 9 de março, e diz respeito às receitas turísticas internacionais (fora turismo interno). Segundo o mesmo, já foram canceladas até essa data 346.497 noites, conforme reportaram os inquiridos.

Com base nos resultados, a AHP traça também um cenário de redução de 30% nas dormidas entre 1 de março e 30 de junho, o que pode representar 4,4 milhões de dormidas perdidas. Numa projeção menos conservadora, a perda de 50% pode levar a menos 7,3 milhões de dormidas.

As regiões que esperam sentir mais impacto são Lisboa, a cidade do Porto, a região Norte, a região Centro, nomeadamente por causa dos eventos religiosos de Fátima, e o Algarve. Uma coisa é certa: «todos os inquiridos sentem abrandamentos por causa do Covid-19 nas reservas futuras, e já não há distinção entre regiões a nível de reservas», referiu a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, na apresentação deste inquérito aos jornalistas. «A grande surpresa foi a rapidez na subida dos contágios» do vírus.  

 

Receitas podem cair 20% no final do ano

Raul Martins, presidente da AHP, comentou na ocasião que, segundo as projeções da AHP, e assumindo uma recuperação do setor no segundo semestre, as receitas da hotelaria poderão cair cerca de 20% no fecho de 2020, mas admite que o número é conservador. Espera-se «uma crise de tesouraria» e um 2020 «muito pior que 2019». E deu o exemplo de Madrid, que está atualmente com uma taxa de ocupação de 15%, de acordo com os números fornecidos pela congénere espanhola.

De acordo com o inquérito, até dia 9 de março 30,5% dos inquiridos consideravam que o ano de 2020 vai ser pior que 2019, e 27% que será muito pior. 14% acreditam que o ano poderá ser melhor. A maioria mostra algum otimismo quanto ao comportamento geral do setor, mais do que em relação à sua própria unidade hoteleira.

De acordo com a AHP, ao longo dos dias em que o inquérito foi distribuído, as opiniões dos hoteleiros foram mudando abruptamente, consoante as notícias relativas à propagação do vírus, razão pela qual a associação vai continuar a fazer o mesmo inquérito durante as próximas semanas.