Escritórios

Empresas repensam necessidades de espaço com a pandemia

Ana Tavares |
Empresas repensam necessidades de espaço com a pandemia

Para melhor entender o impacto da pandemia no setor dos escritórios, a Worx fez um questionário a várias empresas em procura ativa. 36% dos inquiridos considera que faz sentido mudar agora as necessidades de espaço da empresa entre 10% a 20% da sua ocupação atual, já que o teletrabalho está a mostrar resultados positivos.

Assim, a consultora prevê que as empresas comecem a procurar áreas mais pequenas, otimizando o seu uso do espaço, tendo parte dos colaboradores remotos. Pedro Salema Garção, Head of Agency da Worx, comenta que «o mercado de escritórios pode (e deve) aproveitar esta fase para mudar o seu ponto de vista e descobrir oportunidades em períodos de contenção».

 

Recuperação rápida em 2021

O responsável acredita que «estamos a viver um momento de indefinição, mas acreditamos que esta crise vai ser ultrapassada e que durante o ano de 2021 o mercado de escritórios irá recuperar rapidamente». Pedro Salema Garção prevê que «durante o próximo trimestre o número de operações diminua, assistindo a uma recuperação no segundo semestre de 2020».

«Nesta altura é provável que as organizações adiem a mudança de instalações, aguardando por um ajustamento no valor das rendas, o que é de alguma forma expetável. No entanto, e tendo em conta a escassez de oferta de escritórios, não assistiremos a uma descida muito acentuada no valor das rendas, prevendo-se uma descida de cerca de 10 a 15%, dependendo da localização», completa.

Adicionalmente, reforça a mensagem de que «as empresas internacionais vão continuar a investir em Portugal uma vez que manteremos o fator “mão de obra qualificada” aliado aos excelentes projetos que temos planeados para o futuro».

 

Ocupação sobe 7% até março

No primeiro trimestre de 2020, o mercado de escritórios de Lisboa registou um aumento da ocupação na ordem dos 7% face a igual período do ano passado, resultado que ainda antecede o período da pandemia da Covid-19.

Segundo a Worx, neste período, foram colocados 41.780 m², dos quais 11.507 foram ocupados no Corredor Oeste. A consultora foi responsável pela colocação de 16.700 m².