Centros Comerciais

Centros comerciais pedem novas medidas compensatórias

Ana Tavares |
Centros comerciais pedem novas medidas compensatórias

Em comunicado de imprensa lançado esta segunda-feira, a APCC defende que a continuação das medidas de restrição de combate à pandemia, «mantendo os centros comerciais como as entidades que têm suportado sozinhas os efeitos desta crise pandémica, sem qualquer tipo de compensação, colocam as empresas proprietárias dos centros comerciais numa difícil situação financeira». António Sampaio de Mattos, Presidente da APCC, defende que «poderemos vir a assistir ao encerramento de alguns destes espaços comerciais, com as dramáticas consequências que isso acarretará para os níveis de empregabilidade».

A APCC defende assim que, «caso sejam implementadas medidas de confinamento mais graves, o Estado compense as empresas do setor, nomeadamente ao nível de benefícios fiscais correspondentes aos prejuízos registados por estas empresas». E apela também para que o Estado apoie diretamente os lojistas, pois «os centros comerciais, que também sofrem os efeitos económicos da crise pandémica, não podem continuar a fazê-lo».

No mesmo comunicado, a APCC relembra ao Governo e às Autoridades de Saúde que «os centros comerciais são ambientes seguros e controlados, como já afirmado por vários especialistas nacionais e internacionais que não identificaram nestes espaços a origem de surtos pandémicos». Por isso, «face a estas evidências de segurança, acreditamos que o mais prudente seria o Governo permitir que todas as atividades nos centros comerciais continuem abertas, para garantir que os portugueses têm espaços seguros e controlados para atender às suas necessidades».

«Também defendemos a manutenção de horários alargados, por forma a evitar aglomerações desnecessárias em determinados dias e horas», defende ainda António Sampaio de Mattos.

Segundo a APCC, na sequência das várias medidas impostas aos centros comerciais no contexto da pandemia, o setor já despendeu mais de 600 milhões de euros no apoio aos lojistas. Fazendo as contas, a associação considera que «este possível novo confinamento torna a situação insustentável se não forem implementadas ajudas diretas aos lojistas e centros comerciais por parte do Estado», conclui Sampaio de Mattos.