Manutenção de infraestruturas em destaque no LNEC

Ana Tavares |
Manutenção de infraestruturas em destaque no LNEC

A conferência “Gestão patrimonial de infraestruturas” e a mesa redonda “Gestão patrimonial, exploração e manutenção” marcaram a manhã do 2º dia do evento, com uma apresentação de Helena Alegre, do LNEC, e com a participação de Rui Coelho, da Infraestruturas de Portugal, Carlos Marques, da Parque Escolar, Hermínio Leitão, do Hospital de Loures, e Gabriel Silva, da Águas de Santo André, como convidados deste debate.

Para Helena Alegre, «temos de investir o suficiente» na manutenção das infraestruturas «para não perder valor». O ideal é mesmo que a infraestrutura vá ganhando valor ao longo do seu tempo de vida. Em Portugal «temos muito para fazer», notou a responsável. «Temos de chegar ao fim com uma infraestrutura não só mantida, como também melhorada, e não nos podemos esquecer das gerações futuras».

Neste contexto, Rui Coelho salientou que «o uso das infraestruturas também cria valor», não deixando de salientar «as limitações do investimento público». Já Carlos Marques realçou que «a manutenção é necessária. Cada vez mais vamos conseguir dizer aos decisores que há riscos, e transformamos probabilidade em possibilidade».

Dando o exemplo da gestão do hospital de Loures, Hermínio Leitão destacou o a importância do «controlo e contabilização anual rigorosos» para este caso de sucesso. Já Gabriel Silva considera que existe «dificuldade de aplicar novos investimentos no futuro depois do investimento inicial». Acredita que é necessário «não concentrar o esforço de investimento em simultâneo, vale a pena diluir no tempo» por forma a não sobrecarregar as empresas e os investidores.

Este evento foi organizado pelo LNEC, em conjunto com a Plataforma Tecnológica Portuguesa de Construção. Tem como objetivo contribuir para a dinamização da discussão no meio técnico nacional sobre a qualidade e a inovação na construção.