€ 100 M vão fazer crescer o Centro Empresarial da Lionesa

Fernanda Cerqueira |
€ 100 M vão fazer crescer o Centro Empresarial da Lionesa

Criado em 2002 para renovar o espaço industrial da antiga fábrica têxtil Lionesa, o Centro Empresarial, com o mesmo nome, conta atualmente com 110 empresas que no seu conjunto movimentam diariamente quatro mil pessoas.

Com uma taxa de ocupação de 98%, a administração apresentou no dia 8 de junho, e na presença do secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, o projeto de expansão do Centro Empresarial – ‘Lionesa 2025’ que se desenvolverá num processo faseado com arranque previsto ainda para este ano e que se completará até 2025.

Este ano começará a construção de um hotel com 80 quartos, uma residência universitária e uma zona desportiva com campos de padel, ténis e futebol. Este espaço será complementado por um ‘corredor verde’, promovido pela Câmara Municipal de Matosinhos, que ligará aquele espaço à zona costeira de Leça da Palmeira.

A segunda fase prevê a construção de novos edifícios de escritórios que permitirão aliviar a pressão e responder à procura crescente. Os novos edifícios serão projetos por vários arquitetos que complementarão estes espaços com novas áreas de restauração, comércio e serviços. Outra novidade tem a ver com a circulação. Será construído um novo parque de estacionamento e um sistema «vai-vém suspenso por carril» para ligar as extremidades do Centro Empresarial com vista a «restringir quase totalmente a circulação automóvel e fomentar o circuito pedonal», explicou Pedro Pinto, administrador do Centro Empresarial, citado pelo Jornal de Negócios.

Na terceira e última fase deste projeto está prevista a construção de uma torre com 25 pisos, «o maior edifício do Norte de Portugal». A administração conta que o objetivo é «romper com a horizontalidade que caracteriza o território envolvente».

Em 2025, a administração estima que o Centro Empresarial passe do movimento diário de quatro mil pessoas para as dez mil. São novos inquilinos que se juntam às equipas da Hilti, da contact center da Vodafone e da Farfetch, num universo que já acolhe mais de uma centena de empresas.