DGTF quer alienar Hospital da Estrela e terreno do Convento da Estrela este ano

Ana Tavares |
DGTF quer alienar Hospital da Estrela e terreno do Convento da Estrela este ano

A informação foi dada aos associados da APPII participantes na VI Executive Breakfast Session, organizada pela Associação Portuguesa dos Promotores e Investidores Imobiliários, que decorreu esta 3ª feira no hotel Marriott, em Lisboa, subordinada ao tema “A Gestão do Património Público”. A sessão contou com o keynote speaker Bernardo Alabaça, subdiretor-geral da Direção Geral do Tesouro e Finanças.

Bernardo Alabaça avançou ainda que a DGTF espera que sejam entretanto viabilizados cerca de 15.000m² de construção acima do solo neste terreno, 3.000 dos quais para uso comercial e os restantes para habitação.

Este responsável admite que «muito foi feito, mas ainda está muito mais por fazer» na DGTF, numa altura em que o Estado quer aproveitar o bom momento do imobiliário em Portugal (essencialmente em Lisboa e Porto), mas «os procedimentos são muito demorosos». Por outro lado, apontou enquanto principais entraves à melhor gestão do imobiliário público a «falta de monitorização, falta de visão de campo, a falta de conservação, lógica muito procedimental e a relação descontínua com o mercado».

Não adotando apenas uma estratégia de alienação, a DGTF pretende valorizar o seu património de várias formas, nomeadamente através de parcerias com autarquias, fazendo vendas a prestações, da partilha de instalações ou da rentabilização de alguns imóveis de forma a que não saiam totalmente da esfera do Estado.

Exemplo disso é a instalação do novo hotel da Visabeira no mosteiro de Alcobaça. Por outro lado, uma das iniciativas já anunciadas no âmbito do Simplex+ é a criação de um novo portal imobiliário do Estado, «uma montra única para que o cidadão tome conhecimento» do património estatal. Isto porque «o Estado tem a obrigação pública de resolver os problemas (de gestão e preservação do património), mas há espaço para soluções ajustadas com os privados».