Angola teve crescimento nulo em 2016

Ana Tavares |
Angola teve crescimento nulo em 2016

Segundo a revisão do Orçamento Geral do Estado de 2016, realizada em Setembro, o Governo tinha revisto em baixa a previsão do crescimento real da economia de 3,3% para 1,1% do PIB. Os números agora divulgados durante a apresentação do Plano Anual de Endividamento do Estado angolano para 2017, nomeadamente pelo director do Gabinete de Estudos e Relações Internacionais do Ministério das Finanças, Patrício Neto, apontam para uma subida de apenas 0,1%.

No entanto, o défice das contas públicas ficou-se pelos 2,3% do PIB, quando na versão revista do OGE estava previsto um valor de 6,8%, acima dos 5,5% inicialmente previstos. Segundo o Observador, o Governo previa este aumento do défice devido à necessidade de «um impulso de reanimação» à economia, por via do investimento público, «que tem sido o motor do crescimento pelo lado da procura».

Segundo a mesma fonte, o Plano Anual de Endividamento do Estado prevê para este ano necessidades brutas de financiamento no mercado de cerca de 4.667 biliões de kwanzas, 75% dos quais para angariar no mercado interno. A maior parte deste montante será para reembolsos.

O nível do endividamento do Estado angolano, excluindo empresas públicas, deverá subir dos 52,47% do PIB para 53,29% este ano, abaixo do referencial dos 60% estabelecidos em termos legais.