Avaliação

Prime Yield renova certificação de sustentabilidade

Ana Tavares |
Prime Yield renova certificação de sustentabilidade

A Prime Yield acaba de renovar a sua certificação ISO 14001, que reconhece o compromisso da empresa com a proteção ambiental, validando uma gestão mais eficaz dos aspetos ambientais relacionados com o seu negócio.

A empresa é a única em Portugal na área da avaliação e consultoria imobiliária com esta certificação, que atesta o seu empenho na proteção do ambiente e o acompanhamento da evolução do mercado imobiliário. Foi certificada em gestão ambiental pela primeira vez em 2011, acumulando 10 anos de reconhecimento do valor que dá à sustentabilidade.

Nelson Rêgo, CEO da Prime Yield, destaca em comunicado que «a sustentabilidade é parte do nosso ADN e algo em que sempre apostámos. Há uma década que apostamos nesta certificação e estamos muito empenhados em ir mais além, caminhando para avaliações imobiliárias cada vez mais verdes. Um dos nossos objetivos no curto-prazo é a realização de avaliações sem papel».

A Prime Yield está também a implementar a prática de realização de avaliações imobiliárias sem recurso a papel, apostando na digitalização de todo o processo, o que inclui a abolição total de impressão de relatórios.

Nelson Rêgo recorda que «os edifícios são responsáveis por cerca de 40% das emissões de carbono e, no atual quadro de aceleração da descarbonização, a sustentabilidade está a tornar-se um requisito não negociável no setor imobiliário. Isso é transversal a todos os stakeholders e operadores desta indústria, desde arquitetos, a construtores promotores, avaliadores, investidores e financiadores, mas também para ocupantes e compradores». Completa que «na Prime Yield, queremos contribuir enquanto empresa para um melhor ambiente, mas queremos também estar na posição da frente na nova geração do negócio imobiliário e estamos a preparar-nos também para dar uma resposta cada vez mais eficaz aos seus clientes nesta área».

«A própria banca e setor financeiro estão mais atentos a estas questões, como comprova o surgimento das chamadas hipotecas verdes. Ainda pouco utilizada em Portugal, esta é uma modalidade de crédito hipotecário que visa premiar a sustentabilidade no imobiliário. No fundo, as hipotecas verdes discriminam positivamente os imóveis com maior sustentabilidade e melhor eficiência energética, concedendo-se condições de empréstimo mais vantajosas para a aquisição de tais imóveis», explica Nelson Rêgo. «O facto é que a sustentabilidade já chegou a todas as áreas do imobiliário e é cada vez mais um requisito de todos os atores, incluindo, mas muito especialmente, do consumidor final de imóveis», conclui.

Segundo a Prime Yield, a sustentabilidade tem impactos positivos importantes não só nas pessoas e no meio envolvente, mas também no próprio negócio imobiliário e ao nível da valorização dos imóveis, considerada «uma via para a obtenção retornos superiores e uma maximização do valor dos ativos». Desenvolver imóveis mais sustentáveis pode representar um prémio de até 10% nas rendas de imobiliário comercial, ou de 15% na habitação.

O CEO da Prime Yield salienta que «a própria banca e setor financeiro estão mais atentos a estas questões, como comprova o surgimento das chamadas hipotecas verdes. Ainda pouco utilizada em Portugal, esta é uma modalidade de crédito hipotecário que visa premiar a sustentabilidade no imobiliário. No fundo, as hipotecas verdes discriminam positivamente os imóveis com maior sustentabilidade e melhor eficiência energética, concedendo-se condições de empréstimo mais vantajosas para a aquisição de tais imóveis».

E conclui que «o facto é que a sustentabilidade já chegou a todas as áreas do imobiliário e é cada vez mais um requisito de todos os atores, incluindo, mas muito especialmente, do consumidor final de imóveis».