Governo reconhece impacto da falta de divisas no imobiliário

Ana Tavares |
Governo reconhece impacto da falta de divisas no imobiliário

A questão das divisas sentiu-se sobretudo na importação de materiais e matérias-primas. Branca do Espírito Santo lembra que «o mercado deixou de ser dinâmico, numa altura em que falta crédito para promoção imobiliária e habitação, e um quadro legal que potencie o surgimento de um mercado de arrendamento atractivo para os investidores», cita o Jornal de Angola.

A governante falava durante a cerimónia de tomada de posse dos órgãos sociais da Associação dos Profissionais Imobiliários de Angola (APIMA), em Luanda, ocasião durante a qual considerou necessário «o envolvimento de promotores imobiliários em projectos de infra-estruturação de reservas fundiárias para fins habitacionais». E voltou a incentivar as fontes alternativas de financiamento, bem como a utilização de materiais nacionais.

A APIMA conta agora com 15 novos membros de direcção provenientes de várias empresas imobiliárias angolanas. O mandato 2017-2020 vai focar-se no estreitamento da associação com as instituições do Estado.