Investimento de €120M instala 6 novos hotéis na Avenida 24 de Julho

Ana Tavares |
Investimento de €120M instala 6 novos hotéis na Avenida 24 de Julho

 

A informação foi dada por José Gil Duarte, Founder & CEO da consultora, durante um pequeno almoço com a imprensa sob o tema “Pensar Lisboa”, durante o qual partilhou que até ao final de junho serão lançados estes novos hotéis, promovidos por fundos de pensões alemães e portugueses dos quais a Essentia é parceira, num investimento global de 120 milhões de euros. Um deles, de construção nova, vai erguer-se junto ao edifício da EDP, e está em fase final de licenciamento. As outras unidades, resultado de reabilitações, vão surgir na zona da Baixa, Santos, Cais do Sodré ou Chiado. A dimensão média será de 35 a100 quartos por unidade.

Esta é uma “nova” zona hoteleira da cidade, mas o certo é que, segundo a Essentia, estes hotéis registaram entre 8 a 10 cadeias candidatas a cada um. Segundo este responsável, «sentimos que estamos a viver um momento extraordinário na cidade de Lisboa. Temos inúmeras oportunidades e desafios, e como lidamos com isso vai determinar como alicerçamos as fundações do nosso futuro».  

 

Investidor francês investe €70M em residências de estudantes

A Essentia está também a acompanhar «um family office francês» num investimento de cerca de 70 milhões de euros em 5 residências de estudantes, três em Lisboa «em eixos viários importantes» e duas no Porto, na zona da Asprela e no centro da cidade.

Estas residências terão como targer um segmento médio e valores de renda mais acessíveis, o que é possível por ser um projeto «com rentabilidade mais baixa e de longo prazo». Mesmo com as subidas do preço da construção ou com o «custo elevado» dos terrenos, José Gil Duarte garante que «é possível» investir em projetos deste género de segmento médio, e este investidor é exemplo disso.

 

Quarteirão da Portugália transforma-se em co-living

O quarteirão da Portugália, na Almirante Reis, vai ser alvo de uma operação complexa de reabilitação urbana, que o vai transformar num projeto de co-living, estando o projeto em fase de licenciamento.

Parte do Fundo 7 Colinas, comprado por um fundo alemão e com a gestão imobiliária a cargo da Essentia, este quarteirão terá componente de escritórios e habitação, pautando-se por «uma ideia de bairro. A cidade precisa de exemplos destes»,

 

Estabilidade legislativa é a peça em falta no arrendamento

Para este responsável, para que possa haver um mercado de arrendamento eficaz em Portugal é necessária estabilidade legislativa, para que os grandes players possam ser atraídos por este mercado, e torna-lo mais líquido, pois «as leis não podem mudar a cada três anos».

Paulo Martins Barata, Partner da Promontório, também presente neste encontro, notou na ocasião que «seria necessário criar um pacto de estabilidade no arrendamento, para que as grandes seguradoras ou fundos de pensões pudessem também vir para Portugal. A Renda Acessível é um programa louvável, mas a capacidade de investimento do Estado é limitada. Por outro lado, os terrenos estão caros, e também se devia aumentar a oferta», já que «Lisboa tem uma série de manchas urbanas desocupadas que poderiam ser aproveitadas para este propósito». E acredita que «não podemos perder um euro de investimento estrangeiro».