Hoteleiros esperam melhor ARR e RevPar no verão

Ana Tavares |
Hoteleiros esperam melhor ARR e RevPar no verão

Os inquiridos nas “Perspetivas Verão 2019”, da AHP, com base nas reservas já feitas para o período de julho a setembro, mostram que a taxa de ocupação e a estada média deverão ser idênticas às do ano passado. A região Centro é aquela em que mais hoteleiros esperam uma subida da taxa de ocupação. Para a maioria dos inquiridos do Algarve, Lisboa, Açores e Norte a TO deverá superar os 80% no período do verão.

Já no que diz respeito aos preços médios por quarto ocupado (ARR) e por quarto disponível (RevPar), 63% e 58% dos hoteleiros estimam que estes indicadores, respetivamente, vão ser melhores ou muito melhores que no verão passado. Açores, Alentejo e Norte esperam os melhores resultados.

Cristina Siza Vieira, CEO da AHP, comenta que «à semelhança do que aconteceu no verão de 2018, os hoteleiros estão menos otimistas em termos de crescimento da ocupação, isso acontece porque já estamos a falar de valores acima dos 80%, pelo que, naturalmente, é menor o potencial de crescimento. Perspetiva-se também que o ARR e o RevPAR sejam melhores do que no ano anterior, até porque nestes indicadores ainda há margem para crescer, considerando que será o primeiro (ARR) que irá impulsionar o segundo indicador (RevPar)».

 

Portugueses e espanhóis são os principais mercados do verão

Para a generalidade dos hoteleiros, os mercados português e espanhol serão os mais dinâmicos no verão. 51% dos hoteleiros espera uma melhoria da performance do mercado americano e 43% do francês, ao passo que 50% espera um menor dinamismo do mercado do Reino Unido.

Lisboa, em particular, aguarda uma subida do mercado americano, brasileiro, francês e chinês. No Alentejo deverá crescer o mercado nacional, e no Algarve mantém-se a preponderância do mercado do Reino Unido.

Cristina Siza Vieira atesta que «temos vindo a acompanhar, com particular atenção, a evolução dos mercados alemão e inglês, mas sobretudo do mercado alemão que tem decrescido, em número de hóspedes, na Madeira e no Algarve e a informação recolhida neste inquérito vem comprovar isso mesmo. 48% dos inquiridos na Madeira e 43% no Algarve esperam uma pior performance do mercado alemão».

Já quanto ao mercado inglês, «a Madeira está mais otimista, por contraponto ao Algarve onde 63% dos inquiridos esperam uma pior performance deste mercado emissor. Este pessimismo deve-se principalmente à indefinição do Brexit e à falência de algumas companhias aéreas, a última das quais a Germania Airlines, que operavam para estes dois destinos nacionais e que vêm diminuir a oferta de voos semanais».