Hotelaria de Lisboa entre as mais atrativas para os investidores

Ana Tavares |
Hotelaria de Lisboa entre as mais atrativas para os investidores

Segundo a Savills, os compradores internacionais estão a impulsionar a maioria do investimento em hotéis nas cidades europeias, vendo oportunidades de maior rendimento neste tipo de negócios.

São estas as cidades que registam atualmente os maiores crescimentos, a parte de Bucareste, Budapeste ou Praga, que registaram um forte crescimento nas chegadas aos aeroportos nos últimos 3 anos. Aumenta também o nível de interesse por parte dos turistas, e isso tem sido «amplamente refletido no desempenho operacional» da hotelaria.

Alexandra Gomes, Senior Analyst do departamento de Research da Savills Portugal, atesta o dinamismo do setor em Portugal, comentando que «no ano 2018, Portugal recebeu mais de 21 milhões de turistas nacionais e internacionais com os proveitos a contabilizarem cerca de 3.6 mil milhões de euros (+6%). A cidade de Lisboa continua a marcar pontos e a arrecadar diversos prémios internacionalmente reconhecidos».

A especialista nota que «a aposta de investimento no setor reflete-se não só ao nível da abertura de novos hotéis, como também numa aposta crescente na requalificação e modernização das unidades hoteleiras existentes, com o objetivo de continuar a elevar a qualidade da oferta turística e criar novos conceitos diferenciadores».

A Savills destaca, no ano passado, a venda dos hotéis Intercontinental Palácio das Cardosas e do Penha Longa Hotel & Golf Resort, num total de 155 milhões de euros, que vieram estabelecer um novo recorde histórico de valor por quarto superior a 500.000 euros, «confirmando o elevado grau de atratividade do mercado português hoteleiro e o seu potencial de crescimento».

Por seu turno, Richard Dawes, diretor de Hotels Agency da Savills comenta que «as nossas pesquisas mais recentes mostram que o mercado hoteleiro europeu é hoje uma classe de ativos muito mais madura e líquida do que há uma década, com um dos maiores grupos de compradores do setor imobiliário. À medida que as yields continuam a comprimir em muitos dos principais mercados como Paris, Amesterdão, Londres e as grandes cidades alemãs, aqueles que estão dispostos a subir a curva de risco em cidades turísticas emergentes e estruturas operacionais não arrendadas estão a verificar uma solução de rendimento atrativa», explica.