250.000 turistas britânicos deixaram de visitar o Algarve

Ana Tavares |
250.000 turistas britânicos deixaram de visitar o Algarve

 

A região espera continuar a sentir os efeitos, e vai reforçar a promoção no Reino Unido. João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, afirma que «2019 é uma bola de cristal». 

O responsável reconhece que os britânicos estão «muito sensíveis à questão do preço» pela desvalorização da moeda, e este é um dos efeitos mais imediatos do Brexit. Mas também o ressurgimento de destinos concorrentes como a Turquia também teve os seus efeitos no Algarve.

A região tem agora uma verba de 6,5 milhões de euros para promoção externa, que não inclui Espanha, 10% alocada ao Reino Unido. A Região de Turismo do Algarve, o Turismo de Portugal e a Secretaria de Estado da tutela estão também a desenvolver um programa de promoção do produto e do mercado junto do público britânico na sua vertente mais tradicional (sol, praia e golfe), mas também apostando em nichos como o turismo de negócios, desportivo ou cultural, num investimento adicional de 600.000 euros.

Segundo a AHETA, em novembro e dezembro do ano passado houve uma recuperação do mercado britânico no Algarve, mas Elidérico Viegas, presidente da associação, alerta ao DV que esta variação diz respeito ao período homólogo de 2017, quando se «registaram valores muito baixos, atendendo às falências de companhias aéreas e operadores turísticos», explica.

No total de 2018, o Algarve recebeu menos 66.000 turistas britânicos que no ano anterior (quando a perda tinha sido de 182.000 turistas), quebra compensada por um maior número de turistas espanhóis, franceses, belgas, canadianos, italianos ou Portugueses. As receitas dos hotéis continuaram, no entanto, a aumentar para 4% no total do ano.