U-World planeia investimento de €120M em habitação estudantil

Ana Tavares |
U-World planeia investimento de €120M em habitação estudantil

A empresa especializada em alojamento para estudantes aposta numa oferta para os estudantes portugueses (mas não só) e um segmento médio de mercado. Para já, está no terreno a nova U-Loft Braga, uma nova construção nas proximidades do polo de Gualtar da Universidade do Minho, que deverá custar 20 milhões de euros.

Paulo Ribeiro, diretor geral da U-World, explica em entrevista à VI que esta unidade terá 230 apartamentos T0 a T4, seguindo uma tarifa base entre os 250 e os 300 euros mensais, que inclui serviços como água, luz, limpeza semanal, acesso ao ginásio e serviço de mentoring e tutorado: «a nossa maior diferenciação prende-se com os nossos serviços de acompanhamento do residente, prestando apoio tanto na fase de adaptação a uma nova vida fora da zona de conforto do seio familiar, como ajudá-lo a preparar-se para a integração no mercado de trabalho».

A U-World será a promotora deste investimento, assumindo a aquisição dos terrenos e a produção dos projetos, «convidando, posteriormente, outros investidores a adquirir frações da unidade. Em contrapartida o investidor terá um rendimento garantido», explica Paulo Ribeiro.

 

Seguem-se Aveiro, Coimbra e Porto

Paralelamente, deverão arrancar os projetos de Aveiro, Coimbra e Porto, zonas que «conjugam oportunidades ajustadas aos nossos projetos, devido ao nosso enfoque no estudante nacional e nas famílias portuguesas, ou seja, existe uma grande sensibilidade no que diz respeito ao custo de alojamento que deveremos propor ao mercado». E é por isso mesmo que «Lisboa, para já está mais distante, mas no futuro nunca se sabe», admite o responsável.

Cada cidade deverá contar, numa primeira fase, com duas residências, à exceção do Porto, que pode vir a ter um total de quatro, todas elas entre os 8.000 e os 15.000 m², com capacidade para 250 a 600 residentes.

«As residências Universitárias, ao contrário dos outros ativos imobiliários, são especialmente resistentes à variação dos ciclos económicos, o que lhes confere uma robustez bastante apreciada pela banca, fundos e private equity», diz Paulo Ribeiro.

 

Parcerias com os estabelecimentos de ensino

A U-World trabalha também em conjunto com universidades, politécnicos e outras escolas superiores, como a AEFEP ou a AEISEP. Para Paulo Ribeiro, «são iniciativas naturais, nas quais procuramos criar uma relação de colaboração quer com as escolas, assim como as associações de estudantes. Julgamos que podemos contribuir para uma melhor experiência do estudante e professor no percurso universitário».

«Além disso, acreditamos que podemos contribuir para um upgrade do branding das próprias entidades universitárias, proporcionando um alojamento especialmente desenhado para estas comunidades», conclui.

A empresa tem também em produção uma nova plataforma digital de suporte para estudantes, professores e investigadores: «permitirá aos membros aceder a bolsas de estudos, serviços de mentoring e advising de carreira, para estudantes e professores não residentes, oportunidades de emprego e muito mais».