Falta de nova oferta mantém venda de prédios em alta

Ana Tavares |
Falta de nova oferta mantém venda de prédios em alta

O valor médio neste tipo de transação fixou-se nos 684.014 euros, e grande parte destas transações teriam como objetivo a reabilitação dos imóveis, num volume de faturação de cerca de 8 milhões de euros.

83% dos compradores são nacionais. Lisboa, Setúbal e Porto foram os distritos com maior número de vendas deste género, com fatias de 43,2%, 16,4% e 13,2%, respetivamente. Entre os estrangeiros, destaque para os franceses, que representam 3,3% das transações e 4,4% do volume de vendas.

De acordo com Beatriz Rubio, CEO da Remax Portugal, a reabilitação surgiu nos últimos anos como resposta à retração na oferta de novas construções. Destaca que «a grande dinâmica do mercado imobiliário nestes anos mais recentes fez-se à custa do stock já existente, assim como da renovação do mesmo. Quer isto dizer que o aumento dos preços dos imóveis que tem sido verificado resulta de vários fatores, entre os quais de uma relativa diminuição da oferta de novas habitações. Ora, se pensarmos que há também uma maior pressão do lado da procura, tudo isto conjugado não poderia resultar em outra coisa que não o aumento do preço».

E alerta que «a construção nova tem um papel determinante na estabilização dos preços dos imóveis, porque ao atuar no lado da oferta, contrabalança um eventual aumento da procura».