Casas ficam 11% mais caras em trimestre recorde de transações

Ana Tavares |
Casas ficam 11% mais caras em trimestre recorde de transações

 

Segundo o relatório esta semana publicado, a variação da subida homóloga foi de -1% face ao trimestre anterior, interrompendo um período de 5 trimestres consecutivos de aceleração dos preços. Entre o 1º e o 2º trimestre de 2018, o IPHab subiu 2,3%, menos 1,4% que no trimestre anterior, resultado para o qual contribuiu essencialmente o comportamento das habitações existentes, que aumentaram 2,9% e as habitações novas 0,1%.

Neste trimestre, o ritmo de crescimento dos preços das habitações existentes, em termos homólogos, (12,6%) foi duas vezes superior ao observado nas habitações novas, que ficaram 6,3% mais caras.

 

Novo máximo de transações

No total, entre abril e junho foram vendidas 45.619 casas, mais 23,7% que em igual período do ano passado, num valor de 6.200 milhões de euros, mais 34,9% do que no segundo trimestre do ano passado.

Este é um novo máximo trimestral da série disponível desde 2009. 38.880 das vendas dizem respeito a fogos usados, mais 24,8% que no ano passado, e 6.739 de alojamentos novos, mais 17,5% em termos homólogos, o valor mais alto de transações de casas novas registado nos últimos 4 anos e meio.

Só a área da Grande Lisboa representou 35,8% do total das transações e 48,1% do valor total (3.000 milhões de euros). O Norte superou pela primeira vez o limiar das 13.000 transações representando 29,1% do total.