Alternativos residenciais captam cada vez mais investimento

Ana Tavares |
Alternativos residenciais captam cada vez mais investimento

Este montante já excede todo o investimento global feito em retalho e logística em 2017, numa altura em que os volumes globais de investimento em residências de estudantes registaram um aumento de 87% nos últimos 5 anos.

Segundo a Savills, são os mercados das cidades do sul da Europa que oferecem as melhores oportunidades para novos investimentos no setor estudantil em 2019. No relatório Global Living, a consultora aponta que que a oferta de alojamento para estudantes é mais alta no Reino Unido, onde 27% de todos os estudantes podem ser acomodados, e mais baixa no sul da Europa. Na Itália, o quarto maior mercado estudantil da Europa, a taxa de oferta nacional é inferior a 5%.

Alexandra Gomes, Analyst, Research Department comenta que «para o mercado português, a consultora Savills Portugal aponta como uma das tendências mais fortes para o ano 2019 a diversificação do investimento por classes de ativos alternativas, como é o caso das residências de estudantes e residências sénior. As cidades de Lisboa e Porto são duas das cidades da Europa do sul que mais têm estado no radar de vários operadores internacionais que têm adquirido diversos terrenos para promoção de residências de estudantes e que irão contribuir para responder a uma elevada procura, com contínuas perspetivas de evolução positiva».

E explica que «o mercado português conta já com a presença sólida de reconhecidos investidores e promotores como a Temprano Capital Partners, MPC Capital Group, Milestone, TPG Real Estate, Round Hill Capital e The Student Hotel e continua a somar a entrada de novos players no mercado».

Analisando os dados disponibilizados pela StudentMarketing, a Savills identificou que a oferta é mais baixa em Roma, com uma população estudantil de 220.500, mas apenas 6.500 camas (3%), seguido pela cidade do Porto (3,5%), Florença (3,8%), Barcelona (4,9%) e Madrid (5,7%). Estas cidades oferecem, portanto, as melhores oportunidades imediatas para os investidores, já que muitos têm fortes populações de estudantes internacionais.

Marcus Roberts, Diretor de Residential Capitais Markets da Europa da Savills, comenta que «as cidades espanholas e algumas cidades portuguesas também são caracterizadas por níveis extremamente baixos de oferta, registando uma procura elevada e uma forte subida no mercado de arrendamento. Temos atualmente investidores de private equity particularmente ativos no mercado ibérico, com Espanha a verificar um volume recorde de investimentos no setor de alojamento para estudantes nos últimos 12 meses».

 

Novos alojamentos multifamiliares respondem à procura

Mas há também falta de oferta de alojamento multifamiliar, aos quais os segmentos de coliving e senior living podem dar resposta. Este tipo de ativo captou mais de 27.000 milhões de euros em 8 dos principais mercados europeus, ainda uma fração do volume verificado nos EUA, mas um aumento de 19% desde 2013.

«O mercado de senior living, ainda que revele um peso residual comparativamente a outras classes de ativos, começa a dar sinais de atividade e a reunir o interesse de investidores. O ano 2018 foi prova disso com o mercado a fechar algumas transações de investimento neste segmento», completa Alexandra Gomes. «Todos os segmentos acima mencionados revelam acima de tudo uma maior apetência para o risco por parte dos investidores, com vista em retornos mais elevados e também uma maior abertura para a concretização de joint-ventures que unem diferentes expertises e valências em prol da garantia de sucesso de um projeto», conclui.