Negociação de espaços e pré-arrendamentos são tendência do mercado de escritórios

Ana Tavares |
Negociação de espaços e pré-arrendamentos são tendência do mercado de escritórios

Esta é uma previsão da consultora Savills, segundo a qual estas serão as principais tendências a observar, «num ano que se prevê marcado por uma quebra inevitável no volume de absorção perante uma oferta que irá manter-se escassa ao longo do ano», comenta Alexandra Gomes, Senior Analyst do departamento de Research da Savills Portugal.

«A falta de oferta nova e a necessidade urgente de mudança de espaço tem motivado o surgimento de duas tendências: por um lado, as empresas acabam por optar por instalações mais obsoletas, apostando em ligeiras intervenções que adequem melhor o espaço aos seus requisitos de ocupação. Por outro lado, alguns proprietários de edifícios apostam no reposicionamento e modernização dos seus edifícios para receberem novos inquilinos», explica a especialista.

Certo é que «a contínua evolução de Lisboa como destino turístico a par dos inúmeros fatores de atratividade e competitividade oferecidos comparativamente a outras capitais europeias, tem sido fundamental para aumentar a perceção de Lisboa como destino ideal para a implantação de sedes de grandes ocupantes internacionais, tendo por isso sido a cidade eleita para iniciar a abertura de novas empresas».

 

Porto espera 150.000 m² de novos escritórios

O Porto, por seu lado, é palco de um dinamismo cada vez maior no que diz respeito aos escritórios. No ano passado, registou mais de 40 operações, num volume de absorção aproximado de 80.000 m². A procura das empresas multinacionais e grandes ocupantes tem motivado esta subida dos valores de absorção, que deverão aumentar ainda este ano.

O mercado deverá ver surgir 10 novos projetos nos próximos anos, que representam 150.000 m² de espaços empresariais, como é o caso dos 31.000 m² do edifício Porto Office Park, ou do edifício Porto Business Plaza, no Campo 24 de Agosto, com 15.500 m².

Alexandra Gomes comenta que «os os diversos projetos de reabilitação e requalificação de edifícios antigos têm exercido um papel fundamental no incremento da oferta disponível de escritórios na cidade do Porto. A estes processos de reabilitação, juntam-se igualmente um conjunto de fatores que conferem à cidade do Porto um grau de atratividade cada vez mais considerável, entre eles o talento qualificado, a presença de várias startups e incubadoras, a localização geográfica estratégica, um mercado turístico em crescimento e o enorme potencial de requalificação de edifícios existentes para novos projetos imobiliários».