Retalho domina investimento no 1º semestre somando total de €400M

Ana Tavares |
Retalho domina investimento no 1º semestre somando total de €400M

De acordo com os dados da Worx, este comportamento do retalho foi fortemente motivado pela compra do Fórum Coimbra e do Fórum Viseu, por 220 milhões de euros.

Por outro lado, os escritórios somaram um investimento de 244 milhões de euros, que dizem respeito à venda de dois portfólios, à compra do edifício Entreposto, por 65,5 milhões de euros, do Edifício Central Office por 29 milhões pela Merlin Properties, ou â compra do antigo edifício sede BNU pelo Fundo da Segurança Social à CGD por 50 milhões de euros.

Durante este semestre, foi transacionado apenas 1 hotel, o Lux Park, no valor de 16 milhões de euros, e a plataforma logística EIPA II no valor de 37 milhões de euros.

A consultora nota que se continua a assistir a uma compressão das yields no mercado português. A yield prime do mercado de escritórios e dos centros comerciais fixa-se nos 5%, ao passo que o comércio de rua regista uma yield de 4,75% e o setor industrial e logístico de 7%. Todos os setores registaram descidas de 0,25% no seu valor de prime yield, à exceção da indústria.

No que concerne o nível de atividade de investimento, a hotelaria registou a quebra mais acentuada, de 87%, seguida do segmento de logística, com menos 56% e dos escritórios, com menos 36%.

O departamento de Research & Consulting da Worx acredita que devemos continuar a assistir a elevados volumes de liquidez e interesse no mercado português, e por isso a quebra registada no 1º semestre não deverá desanimar o mercado, nem será sinal de um arrefecimento do mercado. «É expectável que o mercado consiga atingir valores semelhantes aos registados no final de 2016», nota a consultora em comunicado.

O departamento de Capital Markets da consultora conclui dando nota de que «o segmento de Development tem suscitado o interesse por parte de vários investidores, especialmente direcionado para a promoção de novos espaços de escritórios e projetos residenciais, que se apresentam como mercados de elevada procura».