PORTO COMERCIAL DE FARO ESPERA INVESTIMENTO DE €170M

Ana Tavares |
PORTO COMERCIAL DE FARO ESPERA INVESTIMENTO DE €170M

Concebido em parceria pela Câmara Municipal de Faro e pelo Centro de Ciências do Mar, este projeto inclui uma área de 18 hectares onde está prevista a construção de um aquário, do novo centro de investigação do CCMAR da Universidade do Algarve, novos hotéis, marina e residências sénior.

Inativo há cerca de um ano, este espaço pode ser um local ideal para a atividade de investigação marítima do CCMAR, de acordo com o seu dirigente, Adelino Canário. A ideia é criar aqui uma estrutura académica ligada à investigação, como um “campus universitário do mar”, à qual a autarquia também se associou, apoiando a junção entre a atividade económica, turística e universitária.

Em cima da mesa está um centro de investigação com capacidade para 300 investigadores, e um aquário com 7.000m², considerados os motores do projeto. A par destas estruturas, surgem um centro náutico com 3.050m², marina com 440 lugares de amarração, zona de reparação naval, 3 unidades hoteleiras, um polo universitário, 63 moradias e 40 quartos em residências assistidas, 23.380m² de comércio e serviços, 11.500m² de espaços comerciais e restauração, centro de congressos com capacidade para 1.200 pessoas, uma incubadora de empresas também ela ligada à economia do mar, áreas verdes, heliporto ou ciclovias. O arquiteto Pedro Vaz assina este projeto de arquitetura.

O projeto foi apresentado em junho, e entretanto já atraiu atenções de vários investidores dos EUA, Ásia, Europa ou Médio Oriente, e também portugueses, explica o Expresso. «Já tínhamos contactos de investidores estrangeiros onde se falou de um equipamento desta natureza, embora não com todas estas valências. Depois de vir a público já tivemos três ou quatro contactos de grandes investidores a perguntar como é que o projeto se iria desenvolver. Tenho a plena convicção que se avançar existirão muitos investidores interessados em estudar o plano de negócio e em concorrer a ele», refere Rogério Bacalhau, presidente da CMF à mesma fonte.

Este projeto terá de ter o aval de uma comissão de avaliação, que vai definir o futuro desta área portuária, integrando a Comunidade Intermunicipal do Algarve.