Imobiliário rendeu 2.400 milhões em impostos em 2017

Susana Correia |
Imobiliário rendeu 2.400 milhões em impostos em 2017

 

Segundo os dados agora divulgados pela Autoridade Tributária (AT), este valor traduz um crescimento de 180 milhões de euros face às receitas geradas por estes dois impostos em 2016.

Só o valor do IMT cresceu 32% face a 2016, rendendo 905 milhões de euros ao Estado, dos quais 844 milhões de euros foram transferidos para os cofres das autarquias.  Ao todo, foram passadas 236.258 notas de cobrança deste imposto em 2017.

Já as receitas de IMI ascenderam em 2017 a 1.400 milhões de euros, cm uma variação de 0,25% face ao ano anterior. Neste caso a coleta recaiu sobre cerca de 16 milhões de imóveis, dos quais 41,4% correspondem a prédios urbanos e 58,69% a prédios rústicos.

O Valor Patrimonial Tributário (VPT), ou seja, o valor atribuído para a cobrança de IMI, ascendeu no ano passado a 424.000 milhões de euros, dos quais apenas 1.000 milhões dizem respeito a prédios rústicos.

Estes dados da AT permitem ainda concluir que as alterações introduzidas em 2016 no código do IMI, nomeadamente na valorização dos coeficientes de qualidade e conforto, se traduziram numa valorização do património tributário na ordem dos 9.000 milhões de euros, face a 2015.

Segundo as contas do Fisco, estão isentos de pagamento de IMI cerca de quatro milhões de prédios no valor 100.000 milhões de euros.