IFRRU disponibiliza fundos através de quatro bancos

Ana Tavares |
IFRRU disponibiliza fundos através de quatro bancos

 

Estas foram as entidades gestoras financeiras selecionadas, bem como o Fundo de Contragarantia Mútuo como instrumento de contragarantia, «com a concordância de todos os organismos com assento no Comité de Investimento do IFRRU 2020».

Por um lado, o Santander Totta (BST) tem 548 milhões de euros (255 milhões de euros dos Fundos IFRRU2020 + 293 milhões de euros de fundos BST) para comercializar, num montante máximo de investimento de 20 milhões de euros, montante máximo de financiamento de 20 milhões de euros, carência até 4 anos e taxa de juro BST Spread em função do Risco da operação IFRRU próximo de 0%.

Por outro, o BPI tem 372 milhões de euros (186 milhões de euros de fundos públicos + 186 milhões de fundos BPI), com montantes máximos de investimento e de financiamento também de 20 milhões de euros. O montante mínimo do pedido de financiamento é de 15.000 para particulares e de 200.000 euros para empresas, com um prazo de maturidade máximo de 20 anos.

O Millennium bcp tem 152 milhões de euros de recursos dedicados ao IFRRU, aos quais se juntam 117 milhões de euros atribuídos pelo programa, resultando numa linha de crédito de 269 milhões de euros. Segundo o banco, em declarações ao Económico, decorrem sessões de informação ao mercado.

O Banco Popular ainda não avançou pormenores sobre a sua estratégia, mas sabe-se que a análise de projetos devera começar nas próximas semanas.

Estes 1.400 milhões de euros incluem também «um financiamento de 80 milhões de euros obtido junto do Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa», cujo contrato foi assinado em março, lembra o Económico. Em setembro, o Governo e o BEI assinaram o contrato da primeira parcela de 100 milhões de euros de um empréstimo total de 300 milhões de euros para apoio no IFRRU 2020.