Fileira da construção direciona-se para a internacionalização

Fernanda Cerqueira |
Fileira da construção direciona-se para a internacionalização

De acordo com os últimos dados disponíveis, a internacionalização do setor da construção e do imobiliário representa cerca de 10,44 mil milhões de euros (31,5% do volume de negócios da fileira), 5,6 mil milhões dos quais relativos à construção, 2,3 mil milhões a produtos de construção e 1,7 mil milhões a serviços de engenharia e arquitetura.

Estes números conferem ao sector um peso de 16,6% no total do mercado externo português”, sublinhou Manuel Reais Campos, presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) na sessão de abertura da conferência ‘Mercados de Construção’ que decorreu na sede da AICCOPN, no Porto, no dia 24 de novembro.

"Neste momento é essencial não só reafirmar a nossa posição nos mercados onde já estamos presentes, mas também procurar novos mercados", afirmou o presidente da AICCOPN. Em paralelo, é necessário "investir na formação e especialização dos profissionais do setor e inovar na oferta com que nos apresentamos nos mercados”, acrescentou António Vilar, Conselheiro da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa. “As empresas têm de ultrapassar aquela velha ideia de serão mais competitivas pela oferta de mão-de-obra barata. A mão-de-obra barata não tem futuro! É preciso inovar e oferecer um serviço diferenciado”.

As exportações têm aumentado de forma sustentável e o investimento tem recuperado”, começou por referir Luís Reis, da AICEP Portugal Global, acrescentado “o notório destaque para a exportação de serviços”. Sendo que neste momento “é fundamental diversificar mercados, o crescimento do número de exportadores e o alargamento da base exportadora”, bem como “oferecer um produto com maior valor acrescentado, com mais qualidade e inovador”.

João Aranha, da Baker Tilly, perspetiva um mercado da construção, a nível europeu, “altamente competitivo e com um grande peso na economia”, quer a nível do PIB quer a nível do emprego. Um crescimento apoiado não só pelo financiamento internacional disponibilizado através do Portugal 2020 , mas também através do mercado das multilaterais financeiras “ainda pouco explorado entre nós”, acrescentou José Pedro Freitas, também da Baker Tilly.

AICCOPN disponibiliza GPC a partir de 1 de dezembro

Depois da apresentação do Global Portuguese Construction (GPC), no mês de maio, a AICCOPN lança o portal online no próximo dia 1 de dezembro. Esta será “a nova identidade comum” do setor português da construção no exterior e que visa “a promoção internacional da industria portuguesa”, anunciou Manuel Reis Campos. De acordo com o presidente da AICCOPN este novo serviço reunirá e disponibilizará informações sobre os mercados mais interessantes, oportunidades de negócio com o objetivo de “facilitar  a captação de negócio”.

Esta conferência contou ainda com uma mesa redonda que proporcionou depoimentos de experiências pessoais e profissionais de quem já consolidou o seu processo de internacionalização. Entre os presentes estiveram José Duarte, da Effigest, Manuel de Sousa Aroso, da Manuel Aroso e Associados, de Benedito Lemos e Álvaro Fernandes, da Casais, e de Hugo Soares, da Lucios.

Para 26 de janeiro está já agendada a segunda conferência deste Ciclo dedicado ao tema ‘Mercado de Construção da Europa, América Latina e África’. As inscrições já estão abertas através dos contactos geral@aiccopn.pt ou pelo telefone  22 340 22 00.