CUSTOS DA HABITAÇÃO NOVA CRESCEM 1,5%

Ana Tavares |
CUSTOS DA HABITAÇÃO NOVA CRESCEM 1,5%

Também as componentes Mão-de-Obra e Materiais mantiveram as suas taxas de variação homóloga registadas em junho, de 2,1% e 0,7%, respetivamente. Já o índice relativo a Apartamentos e Moradias aumentou também 1,5% em termos homólogos.

No que concerne o Índice de Preços de Manutenção e Reparação Regular da Habitação, a variação homóloga foi de 2,6% em julho, menos 0,2% que a registada no mês anterior. A componente Produtos contribuiu para esta descida com uma quebra de 0,6%, ao passo que os Serviços mantiveram os 3,3% do mês anterior.

Em julho, todas as regiões do Continente analisadas apresentaram aumentos nos preços, à exceção do Alentejo que registou uma descida de 0,1%. Por oposição, a Área Metropolitana de Lisboa registou a maior subida, de 4,5%.