CML e Segurança Social assinam protocolo para novas rendas acessíveis

Ana Tavares |
CML e Segurança Social assinam protocolo para novas rendas acessíveis

 

Fernando Medina fez o anúncio em entrevista ao DN e à TSF, explicando que as duas entidades «estão a trabalhar em conjunto para que o património da Segurança Social na cidade possa ser mobilizado para o Programa Renda Acessível», por forma a «disponibilizar à cidade habitação para mais de 1.100 pessoas, entre habitação permanente e [...] quartos para estudantes universitários».

Estas rendas «verdadeiramente acessíveis» serão calculadas «em função da capacidade de pagamento das famílias» com «valores médios de T0 e T1 em torno de 150 a 200 euros por mês e, no topo, valores de T4 que podem andar entre os 400 e os 600 euros», explicou o autarca, citado pelo Público.  

Os fogos vão situar-se em zonas como a Avenida dos Estados Unidos da América, Avenida da República, ou Entrecampos, onde a Segurança Social tem 10 imóveis, que serão reabilitados, num total de mais de 200 apartamentos e cerca de 200 quartos para estudantes. O investimento de 17 milhões de euros será suportado pela câmara. 

Sem precisar a data de assinatura do protocolo, Fernando Medina avançou que os primeiros fogos deverão estar disponíveis no próximo ano.