BEM-ESTAR NOS ESCRITÓRIOS GERA RETORNOS E PRODUTIVIDADE MAIS ALTOS

Ana Tavares |
BEM-ESTAR NOS ESCRITÓRIOS GERA RETORNOS E PRODUTIVIDADE MAIS ALTOS

 

Este novo relatório analisa as novas tendências, oportunidades e desafios do futuro que os proprietários e os inquilinos vão enfrentar na área dos escritórios nos próximos tempos, com a crescente preocupação com a saúde e bem-estar, vistas como parte integrante do ambiente de trabalho. Por exemplo uma melhor iluminação, disposição adequada da mobília no espaço e uso de plantas são tidos em conta e contribuem para um melhor ambiente dos espaços, o que aumenta o rendimento dos colaboradores.

As vantagens não são só para quem usufrui dos espaços, mas também para os proprietários. Um estudo recente do Urban Land Institute revela que 2/3 destes profissionais concordam que ter estes aspetos em conta nos seus escritórios permite-lhes aumentar os valores das rendas. E um outro relatório da Dodge Data & Analytics refere que metade dos proprietários inquiridos arrenda os espaços mais rapidamente.

Marta Esteves Costa, Associate e diretora de Research & Consultoria da Cushman & Wakefield, comenta que «investir no bem-estar dos trabalhadores dentro dos escritórios deve ser prioritário para empresas e proprietários. Está demonstrado que um bom ambiente laboral melhora o rendimento dos colaboradores e eleva a qualidade dos espaços arrendados». Para esta responsável, «os escritórios devem permitir que os ocupantes conciliem trabalho e saúde, o que permitirá melhores resultados. A melhor maneira de se reter talento nas empresas é cuidando dos colaboradores».

Seguindo estas novas formas de pensar os espaços de trabalho, a C&W criou o novo serviço de gestão “Sustainable Community”, um programa que trabalha a comunidade de pessoas que trabalham nos edifícios geridos pela consultora, criando valor através da comunicação, eventos, serviços e estruturas de suporte. Segundo a C&W, «mais do que um local de trabalho, pretende-se que os edifícios sejam espaços que tornem a vida de quem lá “habita” ainda mais fácil e equilibrada, potenciando o sucesso pessoal e empresarial sustentável. Os níveis de satisfação dos ocupantes têm sido bastante altos, assim como a sua retenção nos edifícios».

O “Well Workplace” mostra que, no futuro, «vão proliferar» mais funções nas empresas que relacionem recursos humanos com a gestão do espaço de escritórios, e que se vão focar na avaliação da satisfação dos colaboradores. Isto porque «o bem-estar será fundamental para atrair inquilinos premium. Este aspeto terá um papel chave nas decisões de arrendamento, especialmente para empresas no setor do conhecimento e tecnologia». Por outro lado, «as carreiras tradicionais vão ser substituídas por portfólios de experiências e os empregados vão escolher onde e como querem trabalhar. Com isto, os escritórios mais adaptados ao seu bem-estar serão uma prioridade nesta escolha. Os promotores de escritórios terão de conhecer melhor os seus ocupantes antes da própria construção dos edifícios, e adaptarão os mesmos às necessidades das empresas», conclui Marta Esteves Costa.