2017 «vai ser novo ano de novos recordes», diz AHP

Ana Tavares |
2017 «vai ser novo ano de novos recordes», diz AHP

O responsável falava na apresentação da conferência “Portugal & Espanha: Balanço, Perspetivas e Tendências da Hotelaria", que decorreu esta 5ª feira na BTL, em Lisboa. Isto porque 2016 foi o melhor ano da história do Hotel Monitor, inquérito realizado pela AHP junto dos seus associados, ultrapassando mesmo o ano de 2007, historicamente o melhor ano do setor.

No ano passado, as unidades hoteleiras ultrapassaram os dados históricos de 2007 em todos os indicadores. A taxa de ocupação por quarto atingiu os 68% a nível nacional em todas as categorias, mais 3% que em 2015, e a procura bateu recordes, apesar do aumento da oferta. Só em 2016 abriram 75 estabelecimentos hoteleiros, num total de 6.620 quartos de hotel. No final do ano, a AHP quantificava 1.238 hotéis.

Todos os destinos registaram aumentos a nível do preço médio por quarto ocupado, que chegou aos 80 euros a nível nacional, valor que ainda não tinha sido atingido a nível absoluto, mais 8% que no ano anterior. Também o RevPar cresceu a 2 dígitos em todos os destinos à exceção do Estoril/Sintra, que cresceu 7%, fixando a média nacional nos 55 euros, mais 13% que no ano passado.

Em 2016, mais estrangeiros visitaram o nosso país, ganhando terreno nas dormidas e hóspedes em detrimento do mercado nacional, representando 73% do total. Reino Unido e Alemanha foram os principais mercados emissores, seguidos pela França e por Espanha.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da associação, notou nesta apresentação que «temos tido um crescimento sustentado da oferta. Nos últimos anos, temos conseguido manter a curva ascendente e otimizar a oferta», depois dos anos mais duros da crise. «Estamos a sustentar o crescimento com preços constantes».

Esta responsável destacou o gasto dos turistas nos hotéis: «de repente, desde 2014, este indicador teve um salto grande e agora o crescimento é exponencial, estão francamente ultrapassados os resultados de 2007», o que considera «algo muito interessante para a hotelaria refletir. O gasto médio tende a crescer, assim haja produto para o satisfazer».

«O ano de 2016 foi muito positivo em todos os indicadores. Após o período de crise e uma longa recuperação, estamos finalmente no bom caminho, mas alertamos que ainda há muito trabalho a fazer por parte das empresas para conseguirem equilibrar a operação», alerta Raúl Martins.

Hoteleiros têm grandes expetativas para a Páscoa

Depois de um período de Carnaval positivo, os hoteleiros esperam uma Páscoa ainda melhor, num ano que se prevê que seja de novos recordes para a hotelaria nacional.

Pelo menos é o que atesta o inquérito da AHP, feito aos seus associados entre 6 e 10 de março, hoje apresentado na BTL, segundo o qual no período de Carnaval 66% das unidades hoteleiras inquiridas obtiveram uma melhor taxa de ocupação este ano e um melhor preço médio (64%) que em 2016, bem como um melhor RevPar (65%), e agora preveem que a Páscoa seja ainda melhor.

A AHP analisou tanto o período global das férias escolares como o fim-de-semana, sendo que, para o período das férias escolares, os hoteleiros esperam uma melhor performance das receitas totais de alojamento, dos preços e da taxa de ocupação por quarto, com uma estada média estável. 70% está confiante que vai ter um preço médio por quarto ocupado superior ao ano passado, 67% acredita o mesmo em relação ao RevPAr, e 71% confia que vai ter uma receita de alojamento superior à Páscoa do ano passado.

Para o fim-de-semana de Páscoa, de 13 a 15 de abril, as expetativas são de valores mais elevados face ao ano passado em quase todos os indicadores, com destaque para o preço médio por quarto ocupado, receita de alojamento, RevPar e a receita total. O Algarve é a região mais otimista em relação ao fim-de-semana em causa.