Procura de habitação diminui em Angola

Ana Tavares |
Procura de habitação diminui em Angola

 

Esta é uma das principais conclusões do “Relatório de Marcado Imobiliário 2018”, produzido pela Abacus e pela JLL. Segundo o estudo, em 2017 o segmento residencial de compra e venda registou um ritmo «aceitável» de colocação de novo produto, e os valores de venda deverão manter-se este ano, que deverá assistir a uma diminuição da procura.

Em Luanda a desaceleração do setor foi evidente, nomeadamente pela saída de muitos quadros de empresas internacionais, como aliás se sente também no mercado de escritórios. Este ano, o mercado deverá continuar a assistir à desvalorização da moeda nacional e a dificuldades no câmbio, o que deverá acentuar esta tendência. Perante este cenário, espera-se que baixe o valor das rendas habitacionais, o que terá impacto sobre o retorno dos investidores.

Com a degradação do ambiente económico ou a falta de incentivos públicos, a entrada de investidores estrangeiros no imobiliário angolano «parece adiada». As questões cambiais são apontadas neste documento como o mais importante fator de desistência do investimento, seguidas pela nova lei do arrendamento, que gera mais incertezas no que diz respeito à indexação das rendas à moeda estrangeira. Com a desvalorização do kwanza, as perdas são maiores.

Se, por um lado, o relatório aponta que «continua a existir uma grande oportunidade de negócio para as sociedades gestoras de produtos imobiliários», se a situação não mudar entretanto, o país pode «caminhar muito rapidamente para a estagnação ou mesmo para o fim do investimento estrangeiro no mercado imobiliário nacional».

 

Preços continuam em alta

Contudo, os valores continuam elevados. Por exemplo, um apartamento novo em Luanda Sul ou Talatona pode ser vendido a preços entre os 3.500 e os 5.500 dólares por metro quadrado, sendo o arrendamento fixado entre 3.000 e 5.500 dólares mensais. Os usados têm preços entre os 2.500 e os 5.000 dólares por metro quadrado, e arrendamentos até 4.500 dólares, nota o estudo citado pelo Jornal de Angola.

Já no centro de Luanda, um apartamento novo ronda os 5.000 a 7.500 dólares por metro de quadrado, mas o arrendamento pode mesmo chegar aos 12.000 dólares mensais. No que concerne as moradias, nas zonas Norte, Viana, Camama ou Benfica, os preços rondam os 5.500 dólares por metro quadrado, e o arrendamento pode chegar a 8.000 dólares mensais.

Este ano, vai manter-se uma oferta significativa em Talatona ou no centro de Luanda, e até algum excesso de produto, nomeadamente aquele que é destinado a expatriados, normalmente casas T1 e T2 ou edifícios coloniais.

Segundo o estudo, a taxa de rentabilidade do investimento imobiliário ronda agora os 11% a 14% nos escritórios, 9% a 14% no caso das casas e 12% a 14% no setor industrial.