Construção civil pede melhor acesso às empreitadas

Ana Tavares |
Construção civil pede melhor acesso às empreitadas

 

Num encontro que juntou responsáveis das empresas de construção civil, projetistas e fiscais de obras com o governador do Cunene, Vigílio Tyova, os empreiteiros apontaram problemas como a situação financeira das empresas, questões de tributação, custos dos materiais de construção, custos do transporte ou a concorrência das empresas estrangeiras enquanto principais fatores que podem levar as empresas do ramo à beira da falência.

Aires Alberto, representante da Associação dos Construtores, afirmou na ocasião que o sector da construção civil é um dos que mais está a ser prejudicado pela crise económica e financeira que o país enfrenta, cujo cenário junta-se a concorrência das empresas estrangeiras que, por apresentarem opções de baixo custo, ganham muitas obras, cita a Angop.

Vigílio Tyova acredita que o problema deve ser resolvido com programas de apoio concretos. No próximo ano, a província deverá priorizar aquelas empresas com sede ou representação na província de modo a aumentar o nível de emprego, da renda, promoção do empreendedorismo e sustentabilidade das empresas.

Os empreiteiros pedem a realização de um estudo sobre subvenção do valor das obras nas zonas peri-urbanas, que deve ser proporcional à distância dos centros urbanos.