Porto

Edifício Emporium procura novos inquilinos para a área comercial

Ana Tavares |
Edifício Emporium procura novos inquilinos para a área comercial

Situado na esquina das ruas de Sá da Bandeira e Guedes de Azevedo, o imóvel está neste momento a ser transformado num edifício misto de habitação e comércio, com parque de estacionamento público. A área de retalho soma um total de 1.291 m² divididos por 4 lojas no rés-do-chão, com áreas entre os 136 e os 680 m², cujo principal foco será o segmento médio/alto.

Três das lojas terão frente para a rua Sá da Bandeira. Uma delas, o antigo restaurante da Confeitaria Cunha, com uma área de 680 m², estará voltada para a rua Guedes de Azevedo, integrando uma sala com vista para o jardim interior de 800 m² do condomínio.

O Edifício Emporium situa-se a poucos minutos do Mercado do Bolhão, atualmente em fase de conclusão, e da rua de Santa Catarina. Encontra-se também próximo do Quarteirão D. João I e da rua Gonçalo Cristóvão.

Joana Lima, responsável da Predibisa pelo segmento da reabilitação, está convicta de que «a comercialização das lojas do Edifício Emporium irá ao encontro do enorme sucesso que foi a comercialização dos apartamentos. O carisma do Edifício conjugado com a localização de exceção são aspetos a sublinhar no projeto imobiliário».

Por seu turno, Rita Quinta, responsável pela comercialização das lojas, reforça que «a qualidade do edifício e as caraterísticas dos espaços comerciais, designadamente a dimensão das montras e o pé direito serão fatores-chave para captar o interesse de investidores e marcas que se pretendem instalar na Baixa do Porto. De salientar ainda que esta zona tem enorme potencial e será ainda mais valorizada após a conclusão das obras do Mercado do Bolhão».

Para Patrícia Araújo, Head of Retail da JLL, «estamos certos de que o Edifício Emporium irá captar o grande interesse que os retalhistas têm mostrado pela Baixa do Porto, que é cada vez mais um destino de compras não só de turistas, mas também de residentes. A dinâmica que se tem vivido nos últimos anos nesta zona é enorme e o comércio tem sentido essa afluência nos seus resultados, razão pela qual começa a ser incontornável tanto para os retalhistas nacionais como internacionais marcarem presença naquela que é a mais importante zona de comércio de rua do Porto».