Estudos

Volume de investimento atinge €191M no primeiro trimestre

Felipe Ribeiro |
Volume de investimento atinge €191M no primeiro trimestre

No primeiro trimestre de 2022, o mercado imobiliário assinalou, no que diz respeito ao volume de investimento, um total de 191 milhões de euros, um valor que se encontra 27% abaixo face ao período homólogo, não traduzindo a crescente atividade que o mercado tem demonstrado, com várias transações em processo de negociação, segundo um estudo elaborado pela consultora imobiliária internacional Savills, o Real Estate Market Overview.

O primeiro trimestre registou um aumento da inflação (5,5% em março) e dos custos dos materiais e da mão de obra na construção (8%), em parte motivado pelo conflito na Ucrânia, ainda assim, o PIB registou uma variação homóloga de 11,9%.

No que diz respeito à distribuição de volume de investimento, de destacar que, aproximadamente 70% do mesmo se concentrou no mercado de Escritórios. 74% das transações, que correspondem a 134 milhões de euros, foram realizadas por investidores estrangeiros provenientes da Suíça (35%), Espanha (26%), Suécia (9%) e China (4%) sendo os setores dos Escritórios, Indústria e Logística e de Retalho com maior procura. Já os investidores nacionais, representam 26% do total do investimento, sendo que apostaram nas áreas de Hotelaria, Escritórios e de Retalho, no decorrer do primeiro trimestre de 2022.

Escritórios

Como referenciado em diversos estudos da Savills, apenas no primeiro trimestre de 2022, o mercado de escritórios de Lisboa verificou um volume de absorção de 64.289 metros quadrados, num total de 45 operações fechadas, das quais 70% representaram uma mudança de instalações de empresas. Lisboa permanece como “primeira escolha” para empresas que pretendem estabelecer escritórios em Portugal ou relocalizar as suas instalações, sendo o Parque das Nações (zona 5) uma das áreas mais atrativas em termos de absorção de mercado, todavia a preferência das empresas para sediar as suas operações mantém-se na zona Prime CBD (Zona 1) devido à sua centralidade.

No que toca ao mercado de escritórios do Porto, no 1º trimestre de 2022, verificou-se um volume de absorção total de aproximadamente 5.900 metros quadrados, resultante de 12 negócios, duplicando assim o resultado obtido no mesmo período de 2021. Destacam-se as zonas CBD Boavista e Out of Town, as zonas mais ativas, com 42% cada.

Retalho

De acordo com o estudo, o setor do Retalho, tem melhorado o seu desempenho em alguns subsetores como o High-street, Retail Parks. O e-commerce em Portugal deverá de igual forma prosseguir a tendência de 2021, onde registou um total de aproximadamente 4.2 mil milhões de dólares americanos em receitas.

Industrial e Logístico

O setor Industrial e Logístico, que registou o melhor resultado de sempre em 2021, no primeiro trimestre de 2022 apresentou valores de absorção superiores, acima dos 56.000 metros quadrados, face ao período homólogo. Perspetiva-se ainda um resultado bastante satisfatório para este setor, tendo em vista a elevada procura por parte de operadores logísticos, da Indústria e de Retalho, e os projetos que serão concluídos ainda durante 2022.

Mercado Residencial

Já o mercado Residencial iniciou o trimestre impulsionado pelo clima económico e financeiro favorável de 2021, uma vez que a taxa de desemprego, inflação e taxas de juro se mantinham baixas e a concessão de novos empréstimos para a habitação continuava a aumentar. Entretanto, as alterações constatadas nas taxas Euribor e na inflação no final de fevereiro, causaram um ligeiro impacto no trimestre, sendo que poderá implicar outras alterações no futuro, como um ajuste das taxas de juro de referência por parte do Banco Central Europeu.

No que toca à performance do mercado, o preço médio por metro quadrado em Lisboa é de 4.113 €, correspondendo a um crescimento de 6% face ao 1º trimestre de 2021. Cascais e Oeiras estão cada vez mais a atrair e a oferecer soluções para a crescente procura no segmento Prime, sendo que Lisboa ainda detém a grande maioria das transações (86%), mas há uma tendência para a aproximação de preços, entre estas três áreas, na ordem dos 7.100€ e 7.500 €/metros quadrados.

Turismo

Por último, na indústria do Turismo, Portugal permanece como destino referência para turismo e negócios juntamente com outras marcas de hotelaria internacionais. Tendo em vista objetivos a longo prazo, o investimento no setor hoteleiro vai continuar a atrair investidores institucionais.

Em média, o primeiro trimestre dos últimos 5 anos corresponde a 17% do total do ano em hóspedes. Os valores, para ambos os indicadores, mais do que duplicaram no primeiro trimestre face a período homólogo. A receita média por quarto disponível, para o primeiro trimestre de 2022, é de 19,8€ para a Região Norte, 27,3€ para a Área Metropolitana de Lisboa e 14,5 no Algarve, assinalando-se um aumento significativo quando comparado ao mesmo período de 2021.