Mediação Imobiliária

«A tecnologia coloca um mundo de oportunidades à nossa disposição»

Ana Tavares |
«A tecnologia coloca um mundo de oportunidades à nossa disposição»

Sponsored Content: Zome

Os últimos dois anos trouxeram desafios sem precedentes para todos os setores. Como é que o setor imobiliário e a Zome conseguiram superar as adversidades?

De facto, desde março de 2020, que a pandemia tem transformado a forma como vemos o mundo, como olhamos para a nossa vida pessoal e profissional. No caso do setor imobiliário, e tal como a maioria das atividades, ficámos impossibilitados de continuar a operar nos moldes tradicionais, no período inicial do combate à pandemia e durante vários meses. O setor imobiliário já contava com várias ferramentas digitais, como é o caso das visitas virtuais, mas estas ainda não tinham uma adesão relevante. Ou seja, apesar de já estarem disponíveis, não tinham uma utilização significativa. Mas foi precisamente a pandemia que acelerou a utilização destas ferramentas.

A verdade é que é a tecnologia que coloca um mundo de oportunidades à nossa disposição. Temos noção disso há vários anos. Mas só quando efetivamente temos necessidades diferentes é que estamos dispostos a adotar novas ferramentas e soluções. E o contexto da pandemia acabou por dar o empurrão que faltava para que estas ferramentas já existentes obtivessem uma adesão relevante e, dessa forma, contribuíssem para que o setor imobiliário, mais uma vez, demonstrasse a sua resiliência e a sua importância para a economia nacional.

Queria ainda destacar que, apesar da existência de algumas ferramentas tecnológicas que permitiram que as operações continuassem a ser concretizadas, estas ainda não eram suficientes para que o processo de compra e venda de casas fosse totalmente digital, de uma ponta à outra, desde a colocação do imóvel no mercado, às reuniões, à assinatura digital do contrato de mediação imobiliária e à reserva do imóvel. E, em abril de 2020, tudo isso passou a ser possível, com a ferramenta Zome Now, lançada pela Zome.

A tecnologia teve um peso importante nesta resiliência do setor? De que forma?

A tecnologia e todas as suas mais-valias permitiram que o setor continuasse a operar, que não parasse a 100% mesmo nos períodos mais delicados da pandemia. Para isso, foi também importante que os operadores do setor não baixassem os braços e continuassem a inovar e a colocar ao dispor dos clientes as soluções que satisfizessem as suas necessidades. A tecnologia permite um mundo de oportunidades, mas também é fundamental a proatividade das empresas e a disposição dos seus responsáveis para que as atividades continuem a crescer e a prosperar.

Qual é a importância da tecnologia na atividade da Zome?

A tecnologia é fundamental na atividade da Zome. Aliás, consideramo-nos uma empresa tecnológica, dispondo de competências e ferramentas que, de facto, nos permitem ter uma posição diferenciadora no setor. Acreditamos que a tecnologia nos permite tudo e, no caso da nossa atividade, nos permite proporcionar o melhor serviço possível aos clientes. Desde a nossa fundação, em 2019, temos vindo a trabalhar nesse sentido e, em abril de 2020, quando se sentiam os primeiros impactos da pandemia Covid-19 em Portugal, estávamos em condições de proporcionar a verdadeira experiência 100% digital no imobiliário.

O que quer dizer com “a verdadeira experiência 100% digital no imobiliário”?

Como referi, em abril de 2020, passou a ser possível comprar uma casa sentado no sofá, através do computador, do smartphone ou do tablet. Ou seja, passou a ser possível realizar todo o processo de compra ou venda de casa de forma fácil, cómoda e segura, através de canais digitais. A Zome lançou a plataforma Zome Now, que permitiu que as operações imobiliárias continuassem a ser concretizadas, apesar das restrições à mobilidade e do isolamento que, desde março de 2020, marcaram a nossa vida. E, dessa forma, Portugal assumiu uma posição pioneira a nível mundial, ao proporcionar aos portugueses condições 100% digitais para a realização de negócios imobiliários.

Mas o mercado português tem maturidade para estas ferramentas? Ou seja, tem existido recetividade?

Como esperávamos, esta inovação tem obtido uma boa recetividade no mercado, sendo atualmente responsável por uma percentagem muito relevante das transações que temos realizado. Esta evolução demonstra que, de facto, existia procura para uma experiência 100% digital no setor imobiliário.

Somos uma mediadora imobiliária 100% nacional que, desde a fundação, em 2019, tem investido constantemente em inovação. E este era um projeto no qual já estávamos a trabalhar antes da pandemia, mas que acabámos por acelerar precisamente devido a esse contexto, ao momento em que percebemos que teríamos de ficar fechados em casa e em que tínhamos grande parte da atividade económica condicionada.

E pretendem continuar a apostar nesta área?

A aposta na tecnologia e inovação faz parte do nosso ADN. Por isso, estará sempre nas nossas prioridades, até porque acreditamos que temos condições para continuarmos a ser pioneiros no setor e a apresentar ferramentas e soluções únicas que vão revolucionar a mediação imobiliária. Em abril de 2020, conseguimos encetar todos os esforços para que a nossa atividade não parasse completamente e acelerámos o projeto da Zome Now, que já estava nos nossos planos e que conseguimos implementar num curto espaço de tempo.

Recentemente, lançaram também a ZAP. O que vem trazer esta aplicação?

Sim, mais um sinal de que estamos continuamente à procura de soluções com base tecnológica. Em novembro, lançámos a versão mobile da plataforma tecnológica ZAP (sigla para Zome Actions Platform), uma aplicação disponível para smartphones e tablets, através da qual os consultores podem consultar e registar informação em tempo real, a partir de qualquer lugar, com o objetivo de tornar os processos mais ágeis, poupando tempo nas tarefas diárias do consultor, melhorando a sua performance e a sua motivação.

Para aqui chegarmos, ouvimos a nossa equipa de consultores e percebemos as suas maiores necessidades quando trabalham fora do escritório. No departamento tecnológico, em particular, apercebemo-nos que seria fundamental disponibilizar um conjunto de meios que os consultores pudessem utilizar quando estão no terreno, fora do escritório, e que tornasse as suas tarefas mais ágeis, com a mesma segurança e eficiência. Queremos proporcionar cada vez mais comodidade e rentabilidade.

Carlos Santos Zome (4).jpg